Breves
Inicio | Ambiente | Movimento de eco cidadania de Tavira saiu à rua pelo clima e contra petróleo

Movimento de eco cidadania de Tavira saiu à rua pelo clima e contra petróleo

Encontro_tavira_contra_petroleoO Movimento de Eco Cidadania “Tavira em Transição” saiu à rua no passado domingo em defesa do clima e pela diminuição da pegada de dióxido de carbono (CO2), numa marcha que contestou também a prospeção de petróleo no Algarve.

A iniciativa respondeu a um apelo feito à cidadania mundial para a realização de marchas em várias cidades mundiais para exigir aos políticos um acordo global sobre as alterações climáticas, a uma semana do início da Conferência das Nações Unidas sobre o tema (COP21), em Paris, segundo a organização.

Tavira juntou-se assim a Lisboa, Porto e Coimbra como cidades portuguesas que somaram-se aos mais de dois mil eventos marcados por todo o Mundo, tendo a iniciativa contado com conferências, exposições, cinema e uma vigília no encerramento.

Ana Correia, do “Tavira em Transição”, disse à Lusa que o objetivo da marcha foi apelar à “adoção de estilos de vida saudáveis, autossustentáveis, compatíveis com o ambiente e que minimizem os efeitos negativos das emissões de CO2” para a atmosfera.

A mesma fonte explicou que o movimento decidiu responder ao apelo internacional para a realização de concentrações a nível mundial e aproveitar a oportunidade para sensibilizar a população algarvia e portuguesa para as possíveis consequências negativas de projetos de prospeção e exploração de petróleo e gás natural no Algarve.

Para alcançar este objetivo, a “Tavira em Transição” contou com a colaboração da Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP) e da “Algarve Surf and Marine Activities Association” (Associação de Surf e Atividades Marítimas do Algarve), que têm contestado os contratos de prospeção e exploração entre o Estado português e consórcios.

“Esta questão é uma complicação para Tavira e o Algarve, porque assusta os turistas que atraímos e procuram um sítio com qualidade, com paisagens preservadas e com comércio tradicional, que apreciam a preservação arquitetónica e são muito sensíveis a estas causas”, afirmou Ana Correia.

A esta possível consequência para o Turismo junta-se, também, o risco para as populações, através “da contaminação de lençóis freáticos, do aumento do risco sísmico”, acrescentou Ana Correia, criticando o “secretismo e falta de transparência” dos “16 contratos já realizados entre o Estado e os consórcios responsáveis pela prospeção e exploração, tanto em mar como em terra”.

“Queremos sensibilizar ao máximo a população, porque as pessoas desconhecem as consequências que estes projetos podem ter”, observou.

Depois da marcha decorreu uma palestra sobre a COP21 e, de tarde, realizou-se um fórum sobre o “Impacto da Exploração de Petróleo e Gás no Algarve”, que contou com a presença do presidente da Câmara de Tavira, Jorge Botelho.

com Lusa

Verifique também

Voluntários recolhem mais de duas toneladas de lixo na ilha da Culatra

Um grupo de voluntários recolheu ontem mais de duas toneladas de detritos na ilha da …