Breves
Inicio | Ambiente | Novo contrato de concessão entre o Estado e a Águas do Algarve já foi assinado

Novo contrato de concessão entre o Estado e a Águas do Algarve já foi assinado

O ministro do Ambiente veio na quarta-feira ao Algarve presidir à cerimónia de assinatura do novo contrato de concessão entre o Estado e a Águas do Algarve, que junta o abastecimento de água e o saneamento, na região, até 2048.

Na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, onde foi assinado o acordo, João Matos Fernandes defendeu que é preciso “avançar já” com a reutilização das águas residuais tratadas, medida que permitirá poupar água potável e injetar “mais quase 20%” no ciclo urbano.

“Devemos arrancar já na reutilização dos efluentes. O esgoto tratado é água, embora não seja potável, nem para beber”, afirmou, dando como exemplos para a reutilização dessas águas residuais tratadas a lavagem de ruas, a rega de culturas permanentes, de campos golfe e de jardins urbanos.

“A reutilização das águas residuais pode, de facto, injetar mais quase 20% da água no ciclo urbano dessa mesma água e o Algarve está aqui numa posição de grande privilégio”, referiu aos jornalistas, à margem da sessão, aludindo ao investimento de 30 milhões de euros nas novas Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Companheira e de Faro-Olhão.

Segundo João Matos Fernandes, essas duas infraestruturas estão “preparadas, sem quase ter de se fazer mais nada”, para que o esgoto tratado seja reutilizado, uma vez que é fundamental que “muito depressa” se consiga reduzir a utilização de água potável em usos secundários.

“Aplicar [a reutilização] a um ciclo da água que já é circular, aproveitando o esgoto tratado é a opção mais inteligente e mais normal do mundo”, sublinhou, lembrando que a meta que o Governo quer atingir é a de reutilizar 10% do esgoto tratado até 2025 e 20% até 2030.

Outra das soluções que defende para combater a falta de água, a longo prazo, deve ser estudada e equacionada a construção de estações de dessalinização de água do mar, um processo caro, mas viável para garantir água para consumo humano e que já é utilizado, por exemplo, em Espanha.

“Em Portugal só há dois territórios onde possam existir, do ponto de vista técnico, esqueçamos para já a dimensão financeira, dessalinizadoras: em alguns dos grandes estuários, com rias na costa atlântica, ou no mar do Algarve”, referiu, sublinhando que esta solução só faz sentido “no pressuposto de não ter que aumentar a tarifa que é cobrada às pessoas”.

Contudo, frisou, embora a utilização de água dessalinizada para rega não seja economicamente viável – no Alqueva é vendida a 3 cêntimos o metro cúbico e a água dessalinizada custaria pelo menos dez vezes mais (30 cêntimos por metro cúbico) – para o consumo humano, esse valor é “absolutamente encaixável”.

O contrato de concessão por 30 anos com o Estado português prevê um investimento, ao longo desse período, de 300 milhões de euros, na sua maioria para a manutenção e substituição de infraestruturas.

A Águas do Algarve assegura o abastecimento de água para consumo humano e o tratamento de águas residuais nos 16 municípios do distrito de Faro.

com Lusa

Verifique também

Faro vai acolher cientistas que vão preparar relatório mundial sobre alterações climáticas

Especialistas mundiais em alterações climáticas vão reunir-se no início de 2020, em Faro, para prepararem …