Breves
Inicio | Educação | Novo reitor da Universidade do Algarve quer rever cursos nos próximos 2 anos

Novo reitor da Universidade do Algarve quer rever cursos nos próximos 2 anos

Universidade_algarve_cursos_pastasO novo reitor da Universidade do Algarve (UAlg) quer rever a oferta formativa da instituição dentro de dois anos, sublinhando que a instituição não pode oferecer 48 cursos, sob pena de vir a ter professores sem alunos.

“Espero que em outubro haja um conjunto novo de cursos a serem apresentados à agência [de avaliação e acreditação do ensino superior] para funcionarem no ano seguinte”, afirmou António Branco, acrescentando que gostaria que a oferta formativa do 1.º ciclo e mestrados integrados estivesse revista “no prazo de dois anos”.

O novo reitor, eleito com maioria absoluta a 27 de novembro e que toma ontem, sucedendo a João Guerreiro (reitor desde 2006), trabalhou como docente na instituição durante os últimos 22 anos, onde desempenhava o cargo de diretor da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (FCHS).

“Nós não podemos continuar a oferecer 48 cursos de 1.º ciclo e mestrado integrado, que são tantos como os da Universidade de Coimbra e mais do que os da Universidade de Lisboa”, sublinhou, alertando para o risco de a universidade vir a ter professores sem alunos, em áreas como a Matemática, a Literatura ou a Engenharia.

António Branco afirmou querer criar ofertas formativas que sejam “mais atraentes” e que correspondam às necessidades da sociedade, sob o objetivo de captar também mais alunos para a instituição, tanto portugueses como de outros países, prosseguindo a missão de internacionalizar a universidade.

O novo reitor exemplificou o caso da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde foi criada uma oferta formativa em Artes e Humanidades, que congrega várias áreas, com a possibilidade de os alunos desenharem um percurso próprio dentro do curso, embora admita não saber ainda se a Universidade do Algarve seguirá essa solução.

“Vamos ter que fazer um trabalho muito sério e pensar muito bem o que fazer com os recursos que temos”, que são não só os docentes, como os edifícios e os equipamentos de que a universidade dispõe.

Verifique também

Acampamento Regional «pediu» aos escuteiros algarvios que vivam “lado a lado” e sejam agentes da mudança

O XIII Acampamento Regional (ACAREG) do Algarve do Corpo Nacional de Escutas (CNE), que terminou …