Pub

“Há algumas jornadas, falava-se em 26 pontos, o que me parece curto, porque as equipas envolvidas nesta luta têm pontuado. Mas estou seguro de que 28 pontos são mais do que suficientes. Estamos a uma vitória daquilo que, provavelmente, é o suficiente para nos mantermos”, disse Jorge Costa, na antevisão da partida de sexta feira.

O encontro com os madeirenses é considerado “fundamental”: “Temos consciência de que podemos dar um passo de gigante rumo àquilo que é o nosso objetivo”, acrescentou o treinador do Olhanense.

“Este é o espírito atual dos jogadores, da equipa técnica, da direção, de todos os envolvidos neste projeto. Temos consciência de que é um jogo que pode decidir dois anos de trabalho”, frisou Jorge Costa.

“[É o] jogo das nossas vidas”, sublinhou o técnico, que apela à presença em massa dos adeptos do clube: “É fundamental que haja paciência, apoio e estejamos todos – todos mesmo – dentro do mesmo barco e a puxar pelo mesmo objetivo”.

As notícias da possível saída e do alegado interesse do PAOK Salónica nos seus serviços mereceram um único comentário: “Quando o Olhanense estiver com o objetivo conseguido, poderemos falar de outros assuntos. Neste momento, a minha grande e única preocupação é o jogo do Marítimo”.

Para o jogo com o Marítimo, a equipa de Olhão tem cinco “baixas” – os castigados Castro e Carlos Fernandes e os lesionados Rui Duarte, Ricardo Ferreira e João Gonçalves -, enquanto Ukra, com um hematoma no joelho direito, está em dúvida, sendo reavaliado quinta feira.

O Olhanense, 14.º classificado, com 25 pontos, recebe o Marítimo, 9.º, com 31 pontos, na sexta feira, às 20:15, no Estádio José Arcanjo.

Lusa

Pub