Pub

Esta mudança, determinada nas recentes nomeações efetuadas por D. Manuel Neto Quintas, constitui apenas uma etapa do mesmo projeto com o qual o novo sacerdote e os paroquianos da comunidade de Olhão já se encontram comprometidos, e que nos é apresentado, precisamente, pelo Evangelho do último domingo.

A celebração de tomada de posse decorreu na Eucaristia paroquial, pelas 10 horas. Além do novo pároco e do seu antecessor, concelebrou também o reverendo padre frei Álvaro Santos, da Ordem Franciscana, natural da paróquia.

Perante a assembleia, repleta de fiéis não só da paróquia de Olhão mas, também, da paróquia de São Pedro de Faro, anterior paróquia do padre Manuel Rodrigues, bem como da paróquia de São Sebastião de Quelfes, da qual o mesmo tomará posse no próximo domingo, o bispo do Algarve começou por referir que o ato de tomar posse não significa tornar-se dono, mas colocar-se ao serviço dos demais: “Nem o bispo quando toma posse da diocese se torna dono dela, nem o pároco quando toma posse de uma paróquia se torna dono da mesma, mas antes se colocam ao serviço da Igreja, em comunhão com a mesma Igreja”, afirmou.

Depois de ser lido o decreto de nomeação, o novo pároco foi convidado a fazer a profissão de fé, bem como o juramento de obediência, posto o que o anterior pároco lhe entregou as chaves da igreja, como símbolo da transferência de responsabilidade sobre a paróquia.

À homilia seguiram-se alguns ritos explicativos da entrega da missão ao novo pároco: após a renovação das promessas sacerdotais, numa procissão ao longo da igreja matriz, foram sendo entregues ao novo pároco os lugares chave do seu ministério: o baptistério, o confessionário e a sede presbiteral, onde se sentará para presidir à Eucaristia. De igual forma, o padre Manuel Rodrigues foi convidado a abrir a porta do sacrário e a incensar o Santíssimo Sacramento.

Após a cerimónia, os membros da paróquia presentearam o seu novo pastor com um almoço de boas-vindas. Seguiu-se a visita à comunidade da Culatra (Nossa Senhora dos Navegantes), onde partilhou com a população presente que também era ilhéu e que, com grande alegria, iria celebrar ali a sua primeira Eucaristia, uma vez que tinha concelebrado com D. Manuel Quintas em Olhão.

Abel Ramos
Pub