Pub

Camara_municipal_faroMesmo sem a maioria, da coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM, o Plano e Orçamento para 2014 da Câmara de Faro foi aprovado em Assembleia Municipal extraordinária graças à abstenção do PS, disse à Lusa fonte oficial.

Em declarações à Lusa, chefe do gabinete da presidência da Câmara de Faro, Henrique Gomes, referiu que o orçamento para 2014 é de 68 milhões de euros e que foi viabilizado com a abstenção dos deputados do PS.

A coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM – pela qual foi eleito o presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau – não tem maioria nem na Câmara nem na Assembleia Municipal de Faro e precisava da abstenção de uma, ou de várias forças políticas para conseguir passar o documento.

As restantes forças políticas – BE, CDU e o deputado independente José Vitorino – votaram contra o orçamento para 2014.

O orçamento para 2014 foi aprovado, porque o PS se absteve, declarou à Lusa, por seu turno, o independente José Vitorino, argumentado que o próprio relatório da Direção Geral da Administração Local (DGAL) diz que há um “elevado risco de não concretização de várias rubricas da receita” e que “o risco orçamental é significativo”.

José Vitorino afirma que a proposta de orçamento é “má” e responsabiliza o PS por ter “lavado as mãos como Pilatos”.

“O orçamento não devia ter passado no executivo da Câmara, o PS devia ter forçado a uma renegociação logo nessa altura”, defende José Vitorino, acrescentando que “foi uma má proposta da coligação PSD/CDS, que também responsabiliza o PS, pois só passou devido à sua abstenção conivente na Câmara e Assembleia, quando podia e devia ter votado contra para se fazer uma reformulação que era indispensável”.

“A situação financeira é difícil, mas há um caminho diferente para um futuro melhor: cortes substanciais em várias despesas dispensáveis, que resultam de opções erradas; receitas de outro tipo não contempladas, e reestruturação financeira global. Por tudo isto, foi com elevado sentido de responsabilidade que o voto do Grupo Municipal CFC/SF foi contra, não pactuando com uma inércia de afundamento”, lê-se num comunicado por José Vitorino.

Rogério Bacalhau venceu a presidência da autarquia de Faro nas eleições autárquicas de dia 29 de setembro passado com a coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM, defrontando nas urnas o socialista Paulo Neves, o independente José Vitorino, António Mendonça (CDU), Vítor Ruivo (BE) e Vítor Silva (PPV).

Pub