Pub

Se há um ano, a “Algarvia” seria o primeiro ponto na escala de domínio da Sky durante a temporada e a primeira prova de época do melhor da Volta a França de 2012 e campeão olímpico de contrarrelógio, o britânico Bradley Wiggins, que até foi terceiro, este ano no Algarve a constelação de estrelas será mais reduzida.

"Habitués" como o espanhol Alberto Contador, vencedor em 2009 e 2010, deixaram-se seduzir pelo "cachet" de presença no Tour de Omã e, perante a indefinição quanto à realização da prova e o número de dias desta, “mudaram-se” para o Médio Oriente, deixando a corrida portuguesa “despida” de grandes nomes.

Este ano, nas estradas algarvias, não estará nenhum dos candidatos anuais à vitória na Volta a França (estão todos em Omã), nem animadores de clássicas ou de etapas nas grandes Voltas (também lá estão), mas estará Mark Cavendish (Omega Pharma-Quickstep), o rei do "sprint".

Falar do ciclista da Ilha de Man, pela primeira vez em Portugal e logo como número um do "ranking" mundial da temporada, é falar de triunfos, de muitos triunfos: são 100 desde 2005, seis só este ano, e 36 repartidos entre as três grandes Voltas, desde 2008.

Pode, por isso, esperar-se espetáculo no final das duas primeiras etapas, as únicas em linha, com a discussão da geral final a ficar entregue a outros.
O nome mais óbvio é Tony Martin, o vencedor da edição de 2011, que há um ano viu o australiano Richie Porte voar para o primeiro lugar e teve de contentar-se com o estatuto de “vice” entre os dois homens da Sky, mas o francês Sylvain Chavanel também poderá ter uma palavra a dizer.

No entanto, os homens da Omega Pharma-Quickstep não serão os únicos com pretensões à luta pela amarela final. Rigobero Úran e Sergio Henao, ambos da Sky, podem tentar defender o título da equipa, com Thomas de Gendt e Lieuwe Westra, da Vacansoleil-DCM, a procurarem ser os “outsiders”.

Entre os nomes grandes do pelotão que marcarão presença na “Algarvia” estão os veteranos Andreas Klöden (RadioShack) e Denis Menchov (Katusha), além dos melhores ciclistas portugueses, que têm uma rara oportunidade de regressar ao seu país.

Rui Costa (Movistar) e Tiago Machado (RadioShack), os dois ciclistas portugueses que integram o top 100 mundial, terão a responsabilidade de comandar o pelotão de emigrantes.

Costa, eleito Desportista de 2012 pela Confederação do Desporto de Portugal, no ano em que foi o décimo do ranking WorldTour, e Tiago Machado, número 57 do Mundo em 2012 e décimo mundial após a primeira corrida de 2013, são as maiores esperanças para um triunfo luso na Volta ao Algarve (que não acontece desde 2006), uma vez que já na última edição estiveram na discussão da camisola amarela até ao último dia.

Na Volta ao Algarve estarão também outros emigrantes, como o vencedor da Volta a Portugal de 2011, Ricardo Mestre, a correr pela primeira vez na região de onde é natural com a nova camisola da Euskaltel-Euskadi, Sérgio Paulinho e Bruno Pires, da Saxo-Tinkoff, Nelson Oliveira, da RadioShack, e Manuel Cardoso e André Cardoso, da Caja Rural.

Como curiosidade extra, a 39.ª edição da prova algarvia contará com uma “estreante”: a seleção de Angola de ciclismo.

Lusa

Pub