Breves
Inicio | Política | Presidente da Câmara de Aljezur considera rescisão de contratos do petróleo uma vitória parcelar

Presidente da Câmara de Aljezur considera rescisão de contratos do petróleo uma vitória parcelar

Favorite0

A rescisão dos contratos para a prospeção e exploração de petróleo no Algarve é uma vitória parcelar para a região, considerou hoje o presidente da Câmara de Aljezur, lembrando que ainda existem contratos em vigor.

“É uma vitória parcelar, uma vez que ainda falta resolver o problema da prospeção ao longo da costa vicentina, a cerca de 50 quilómetros da costa de Aljezur”, disse à agência Lusa José Amarelinho, sublinhando que acredita que o Governo também reverterá, no início de 2017, esse contrato com o consórcio ENI/Galp.

Os contratos para a prospeção e exploração de petróleo no Algarve que o Governo vai rescindir, alegando incumprimentos de ordem contratual e sem ter que pagar indemnizações, são os celebrados com a empresa Portfuel, de Sousa Cintra, e com o consórcio que reúne Repsol e Partex, noticia hoje o Diário de Notícias.

Em declarações à Lusa, o também vice-presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) afirmou que aquele organismo vai manter as providências cautelares contra o Estado português para que “não se realize sequer o furo” com que o consórcio ENI/Galp quer avançar no “deep offshore” da Bacia do Alentejo, a 46,5 quilómetros da costa de Aljezur.

“No ‘onshore’ [em terra] estamos livres deste atentado, mas acredito que no princípio do próximo ano ficaremos livres de todos os atentados, devido ao sinal que o Governo nos deu hoje”, afirmou José Amarelinho (PS).

Para o autarca, o Governo geriu o dossiê do petróleo no Algarve de uma “forma inteligente”, olhando de “forma cirúrgica” para os contratos e o recurso a questões administrativas para fundamentar a rescisão “foi necessário”, uma vez que se trata de contratos ainda em vigor.

“É importante conhecer o potencial geológico do país, mas esse conhecimento não nos pode chegar através das petrolíferas, isso seria entregar o ouro ao bandido. Tem que ser através das universidades e do próprio Estado”, concluiu o autarca.

Também Vítor Aleixo, presidente da Câmara de Loulé (PS), se manifestou satisfeito com a rescisão dos contratos, considerando que se tratou “de uma vitória conjunta” para todos os que se envolveram na luta contra a prospeção de petróleo no Algarve.

Apesar de o seu concelho não ser diretamente afetado pelos contratos que vão ser revogados, que incidem nas zonas de Tavira e Aljezur, o autarca chegou a propor a realização de um referendo à população sobre o tema.

“Este desfecho é a prova de que uma cidadania ativa é inseparável de uma boa democracia”, afirmou à Lusa, considerando que o anúncio da rescisão por parte do Governo se deve, em muito, aos movimentos de cidadania, que conseguiram travar uma decisão de “consequências desastrosas” para o Algarve.

Favorite0

Verifique também

Presidente da Câmara de Aljezur diz não ter condições para alojar migrantes trabalhadores de explorações agrícolas

Favorite0O presidente da Câmara de Aljezur, José Gonçalves, disse hoje que nos aglomerados urbanos do …