Breves
Inicio | Política | Presidente da Câmara de Olhão propõe revisão urgente do plano da orla costeira

Presidente da Câmara de Olhão propõe revisão urgente do plano da orla costeira

António Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão
António Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão

O presidente da Câmara de Olhão disse hoje que vai propor a revisão urgente do Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Vilamoura – Vila Real de Santo António para que as zonas a “renaturalizar” passem a zonas a reabilitar.

Entre os motivos que levam o autarca a tomar a iniciativa está a demolição de 800 casas nas ilhas-barreira da Ria Formosa, que foram definidas como zonas a “renaturalizar” no âmbito do plano estratégico de requalificação e valorização da orla costeira que está a cargo da Sociedade Polis Litoral Ria Formosa.

O presidente da Câmara de Olhão, António Miguel Pina (PS), apresenta agora como solução a alteração da carta síntese do POOC Vilamoura – Vila Real de Santo António para que as zonas agora selecionadas para a “renaturalização” passem a ser zonas a reabilitar, o que impediria as demolições e permitiria dar novas condições de vida às comunidades existentes naquelas ilhas.

Em declarações à Lusa, o responsável explicou que vai levar a proposta a reunião de Câmara já na próxima semana, seguindo-se a apresentação à Assembleia Municipal. Se a proposta for aprovada, será encaminhada ao Ministério do Ambiente.

A demolição de casas nas ilhas-barreira, que arrancou em dezembro de 2014, tem vindo a ser contestada e no final de janeiro foi motivo de um protesto com mais de 300 pessoas residentes nas ilhas da Culatra, Hangares e Farol, dos concelhos de Faro e Olhão.

Para o autarca, trata-se de um problema de decisão política sobre a gestão do território e não de um caso de problemas ambientais, até porque existem casas construídas nas mesmas circunstâncias nas ilhas da Ria Formosa que estão legalizadas e outras não.

“Como é que num espaço como a Ria Formosa, que necessita de um cuidado ambiental extremo, se põe como prioridade jogar casas abaixo?”, questionou, enquanto apontava a urgência da abertura das barras, a desobstrução e limpeza dos canais e um projeto de ajuda às autarquias para resolver os casos de esgotos encaminhados para a ria sem o devido tratamento.

António Miguel Pina espera que a sua ação seja seguida pelos restantes municípios abrangidos pelo POOC.

“Não podemos andar a dizer que o POOC não nos serve e depois quando chega o momento de demonstrá-lo e tomar uma posição política não o fazemos”, frisou.

Verifique também

Câmara de Loulé faz proposta para limitar urbanismo em zona central de Quarteira

O executivo camarário de Loulé vai propor, na reunião de hoje, a criação de uma …