Pub

"O treinador sabe perfeitamente que no dia em que o Olhanense não tiver confiança no seu trabalho, sou o primeiro a dizê-lo, olhos nos olhos. Isso, neste momento, não se coloca e acredito que, juntos, iremos dar a volta à situação", afirmou Isidoro Sousa, após a derrota do clube de Olhão diante do Paços de Ferreira (1-2), em jogo da 23.ª jornada da prova.

Com sete encontros pela frente e 21 pontos em jogo, o dirigente algarvio sublinhou a sua crença na capacidade de o Olhanense garantir a manutenção na I Liga, apesar de não ganhar desde que Manuel Cajuda chegou ao clube.

"Acredito até ao fim. Temos várias situações por resolver e se cada um fizer a sua parte, iremos todos lutar até ao fim para tentar evitar que o Olhanense desça. Não deito a toalha ao chão", assinalou Isidoro Sousa.

O presidente do Olhanense lamentou a quantidade de jogadores lesionados que tem afetado o trabalho de Cajuda, assim como outros problemas, numa alusão aos salários em atraso, que o próprio já tinha admitido.

"Não podemos colocar todo o peso em cima dele. Não tem sido fácil para o treinador gerir o grupo, em função das lesões e de tudo o que tem acontecido no clube, nos últimos tempos. Temos é que acreditar todos, e quem não o fizer, que seja verdadeiro e que o diga", referiu o dirigente.

Isidoro Sousa frisou que a manutenção "é mais importante" do que foi a subida à I Liga, até porque o clube ainda está a pagar a requalificação efetuada no Estádio José Arcanjo.

"Devido ao investimento que fizemos no estádio, neste momento, (o clube) tem muito a perder se descer de divisão e quero que todos tenham a noção e a responsabilidade disso", concluiu.

O Olhanense ocupao 15.º lugar da tabela classificativa, com 18 pontos, a penúltima posição.

Lusa

Pub