Inicio | Sociedade | Prisão preventiva para suspeito de homicídio cometido em Castro Marim

Prisão preventiva para suspeito de homicídio cometido em Castro Marim

O tribunal decretou hoje a prisão preventiva para um homem suspeito de um homicídio qualificado cometido em Castro Marim, na madrugada de 26 de março, anunciou hoje a Procuradoria da Comarca de Faro.

O homem, com 37 anos, é suspeito de ter dado uma pancada com um taco de madeira na cabeça da vítima, causando-lhe a morte, e foi presente hoje a primeiro interrogatório judicial, tendo o tribunal decretado a aplicação da medida de coação mais gravosa, segundo a informação revelada pela Procuradoria da Comarca de Faro na sua página da Internet.

O Ministério Público da secção de Vila Real de Santo António do Departamento de Investigação e Ação Penal de Faro considera haver “suspeitas de o arguido, após uma discussão com o ofendido, lhe ter dado uma pancada na cabeça com um bastão em madeira, que o matou”.

“Os factos ocorreram no passado dia 26 de março, pelas 03:00 da manhã, no interior da casa do ofendido. Na passada terça-feira feira, 03 de abril, o arguido foi a um posto da Guarda Nacional Republicana do Algarve, onde confessou os factos”, acrescentou a Procuradoria de Faro.

A mesma fonte frisou que o inquérito segue termos na secção de Vila Real de Santo António do DIAP de Faro.

Também a Polícia Judiciária divulgou hoje um comunicado a dar conta da detenção de um homem pela “presumível prática de um crime de homicídio”, que teria ocorrido na “noite de 25 para 26 de março, no interior de uma casa no concelho de Castro Marim”.

“O detido, munido com um taco de basebol, desferiu uma pancada na cabeça da vítima, um homem de 63 anos de idade, causando-lhe a morte”, referiu a PJ, destacando também a decisão do tribunal de decretar a prisão preventiva do arguido.

Verifique também

Algarve associou-se às iniciativas ‘Terço sem fronteiras’ e ‘Um milhão de crianças rezam o terço’

Na passada quinta-feira à noite, o Algarve voltou a associar-se à iniciativa ‘Terço sem fronteiras’ …