Pub

Francisco_amaralO PSD de Castro Marim retirou a confiança política ao presidente da Câmara local, o também social-democrata Francisco Amaral, face “ao distanciamento e falta de cooperação” com o partido, informou no sábado aquela estrutura.

Em comunicado, a estrutura concelhia dos sociais-democratas de Castro Marim, acusa ainda Francisco Amaral de mandar “literalmente às urtigas o programa eleitoral que, os castromarineneses sufragaram nas urnas em 2013, ficando posto em causa o projeto autárquico politicamente sério que vinha sendo realizado”.

No documento, o PSD considera que “a ação nefasta não fica por aqui”, atribuindo ao autarca a responsabilidade “pelos primeiros saneamentos políticos verificados no concelho de Castro Marim em 42 anos de democracia”.

“A exoneração de cargos e funções de influentes dirigentes do PSD, que levianamente acusou de incompetentes, ou a nomeação da presidente da Junta de Altura, em novembro de 2015, eleita nas listas do Partido Socialista, para adjunta do seu gabinete, garantindo a maioria dos votos na Assembleia Municipal, que os castromarinenses lhe recusaram nas urnas, são exemplo disso”, sustentam os sociais-democratas.

A Comissão Política Concelhia do PSD/Castro Marim acusa ainda o presidente da Câmara de desenvolver “uma campanha de intoxicação diária junto do povo, habilmente misturada com campanhas de desintoxicação tabágica, de combate à obesidade e de promoção pessoal nos órgãos de comunicação social à custa dos magros recursos financeiros do município”.

No documento, o PSD de Castro Marim afirma que “é com sentimento de profunda mágoa e grande desalento que retira a confiança política a Francisco Amaral, sob pena de o partido ser politicamente devorado nas eleições autárquicas de 2107”.

A Lusa tentou ouvir a reação do presidente da Câmara de Castro Marim, Francisco Amaral, mas tal não foi possível.

Pub