Breves
Inicio | Política | PSD quer que Governo recue no aumento de portagens no Algarve

PSD quer que Governo recue no aumento de portagens no Algarve

Foto © Samuel Mendonça

Os deputados do PSD eleitos pelo Algarve vão exigir na Assembleia da República que o Governo recue no aumento de portagens previsto para a Via do Infante (A22), que consideram penalizar fortemente a região, informou hoje o partido.

Para o PSD/Algarve, a medida “colide frontalmente com os compromissos que os partidos que suportam o Governo firmaram perante os algarvios”, já que, dizem, o PS tinha prometido “uma redução imediata de 50%”, enquanto o BE e o PCP tinham defendido a abolição.

Algumas portagens nas autoestradas portuguesas terão um aumento de 5 e 10 cêntimos a partir de 01 de janeiro, mas ficam de fora desta atualização de preços 78% das portagens.

No caso da A22, segundo o PSD, o aumento será de 15 cêntimos para a Classe 1 e de 20 cêntimos para as restantes classes, o que faz deste “o maior aumento de portagens no país”, classificado pelos sociais-democratas como uma “grave decisão” para o Algarve.

“Mais grave e injusta é esta decisão quando o Governo afirma que 78% das portagens não sofrem aumentos. A A22 não se conta nesse número, e pior, segundo as notícias, é a que sofre aumento maior”, referem.

Segundo o PSD, a medida é duplamente injusta, já que a A22 tem o preço por quilómetro mais caro de todas as ex-SCUT (Sem Custos para o Utilizador).

O Ministério do Planeamento e Infraestruturas indicou hoje que “a atualização [das portagens] abrange 22% das taxas aplicadas e será de apenas 0,05 euros na generalidade das taxas de Classe 1, sendo de 0,10 euros num número reduzido de situações”.

A revisão anual das taxas de portagem nas autoestradas entra em vigor a 01 de janeiro de 2017, de acordo com os respetivos contratos de concessão, que preveem a atualização com base na variação do índice de preços ao consumidor.

Em 2016, a atualização nas taxas de portagem das autoestradas nacionais abrangeu apenas 10% dos troços das vias onde há cobrança aos utilizadores e numa atualização de apenas cinco cêntimos.

Verifique também

Governo deve simplificar apoio às vítimas do incêndio de Monchique

O Governo deve adotar, “com urgência”, um procedimento simplificado para apoio às vítimas dos incêndios …