Pub

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Faro (PSD) não quis comentar as acusações do PS.

“Houve intenção do presidente da Câmara de Faro, e a conivência do governo, de deixar esta obra para o fim, tendo em vista os objetivos eleitorais do PSD, até mesmo correndo o risco de a obra vir a custar mais ao erário público”, disse à Lusa o líder da concelhia do PS de Faro, Luís Graça.

O dirigente partidário defendeu que a falta de atuação de Macário Correia para que a obra da variante norte a Faro seja retomada o quanto antes, depois de ter sido suspensa quando o PSD chegou ao Governo, faz o PS acreditar que o autarca quer fazer coincidir o fim da obra com a campanha para as eleições autárquicas de 2013.

“Quando o governo atual tomou posse, esta obra parou. E o que temos que registar é o silêncio do atual presidente da Câmara de Faro, que não fez rigorosamente nada para contrariar a situação. E por não ter feito nada é que nos parece legítimo dizer que tentou adiar a conclusão desta obra para coincidir com a campanha eleitoral”, afirmou o líder do PS local.

Luís Graça recordou que foram os socialistas, tanto no Governo, como na câmara algarvia, a lançar a requalificação da Estrada Nacional (EN) 125 e incluir a variante norte a Faro na empreitada.

Acrescentou que, se não o tivessem feito, a obra já teria sido cancelada, à semelhança de todas as que não chegaram a começar no âmbito dessa requalificação.

“A obra está praticamente concluída e o que o PS regista é que não houve nenhum esforço para a sua conclusão, com consequências para o erário público, porque estas chuvas, que estamos a viver nas últimas semanas no Algarve, têm consequências sobre os trabalhos já realizados”, criticou o dirigente partidário.

No início de outubro, a Estradas de Portugal acordou com a subconcessionária Rotas do Algarve Litoral uma redução de 155 milhões de euros ao contrato inicialmente previsto, com o cancelamento de quatro projetos de lanços e um novo plano para obras suspensas.

A Rotas do Algarve Litoral (RAL) é a responsável pelas obras de requalificação da EN 125, que estão suspensas há cinco meses por dificuldades económicas do consórcio construtor.

Segundo o PS, a Estradas de Portugal “já assumiu, em resposta à Juventude Socialista de Faro, que as obras da variante norte a Faro terão início em fevereiro de 2013”, pelo que “está a ser deliberadamente atrasada apenas e só para servir a campanha eleitoral do engenheiro Macário Correia, com graves prejuízos para as populações e para o concelho”.

Lusa
Pub