Pub

É já no próximo sábado, o primeiro dia do mês de Outubro, que a Igreja celebra a festa de Santa Teresinha do Menino Jesus. Como, daí a 15 dias, na Solene Eucaristia presidida pelo Senhor D. Manuel Quintas, vou entregar a Deus – com Jesus, por Jesus e em Jesus – o meu SIM decisivo que me fará outra carmelita a caminhar na senda do amor pelo caminho do NADA…. até chegar ao cimo do Monte aonde só mora a Glória de Deus – como diz São João da Cruz – quero deixar aqui o meu pequeno testemunho para que, comigo, nesse grande dia da minha Profissão Solene, todos O louvem e Lhe dêem graças pela misericórdia que teve para comigo atraindo-me à solidão do Carmelo.

Santa Teresinha do Menino Jesus foi sempre, para mim, aquela grande AMIGA do Céu com quem partilho toda a minha vida. Sou uma dessas almas que a Santa da Misericórdia de Deus, quer salvar e ganhar para Jesus.

Quando eu estava ainda bem longe de encontrar o caminho que nos leva ao Pai… ela, como verdadeira irmã e amiga, conduziu-me – por mediações humanas – aos verdes prados da Igreja de que me tinha afastado, fazendo-me frequentar a catequese da minha Paróquia, a pedido duma afilhada que me convidara para ser também a sua madrinha de Crisma, mas com a condição expressa de me preparar convenientemente para esse acto de responsabilidade. Foi aí que me encontrei com Aquele Deus de Amor por Quem a minha alma tanto ansiava, sem o saber.

A sede de Amor e de Verdade sempre me assaltou desde muito nova!
A VERDADE que eu procuro incansavelmente… é a VIDA que me sustenta e fortalece até poder chegar àquela configuração total com Cristo, na Cruz, pela qual suspira a minha alma como veado sequioso ansiando pelas águas refrescantes.

Sentir-me amada por Deus que é Pai com o Coração da mais terna das mães, enche-me de alegria… duma alegria que transborda, porque não posso guardá-la só para mim.

Ao aperceber-me deste Amor infinito de Deus que me ama de tal forma que respeita a minha liberdade de escolha, começou a nascer no meu íntimo um desejo muito forte de me dar toda a Ele, pois nada me satisfazia no mundo.

Amava muito a minha profissão de carpinteira. E enquanto me dedicava apaixonadamente ao trabalho na minha oficina, ou na restauração das Igrejas que percorri de Norte a Sul do País, tendo sempre bem presente o meu bom S. José, o meu coração fixava-se mais e mais na contemplação de alguns mistérios divinos que me enchiam a alma: a Encarnação do Verbo Divino, a Sua Paixão, Morte e Ressurreição e também a Criação.

Deus criou-nos por amor! E, por amor, tudo criou com beleza e formosura para nós!

Sempre encontrei a paz interior na contemplação da natureza, vendo a mão amorosa e tão terna de Deus em tudo aquilo que meus olhos podiam observar e ver… desde a mais simples florinha do campo, ao pedaço de madeira informe que as minhas mãos, com e pela graça de Deus, iam transformando… para Sua glória e bem dos meus irmãos.

Como o Amor de Deus por nós é imenso!

E que felicidade eu sinto hoje, neste cantinho do Céu que é o Carmelo, quando penso que Deus Pai me criou à Sua imagem e semelhança! Criou-me peça única, irrepetível, tirando-me de um barro especial! Pensou em cada detalhe do meu ser… no meu nome…. na família em que eu haveria de nascer e crescer para Ele!

Dizer SIM ao Seu chamamento é dizer, como Maria: «Faça-se em mim…» segundo a Vossa Vontade; é entregar a minha liberdade a Deus para que Ele possa completar a Sua obra em mim e por mim.

Não foi fácil, da minha parte, esta determinação e quem me conheceu poderá interrogar-se: porquê o Carmelo?

Porque sempre me fascinou a oração!

Fascina-me muito mais falar dos homens a Deus, do que falar de Deus aos homens.

Por isso, ao conhecer mais de perto a realidade da vida carmelitana – tão simples, abnegada e escondida – totalmente dedicada ao silêncio e à oração, não hesitei em deixar as redes na areia para seguir Aquele que me olhou com tanto amor e fortemente me chamou para esta vinha florida do Carmelo, aonde Maria é a nossa Irmã e Mãe.

Santa Teresinha sempre me interpelou com a sua vida simples e escondida, nesta dimensão orante e silenciosa da sua entrega total ao Senhor intercedendo pelas almas para as ganhar para Deus.
Como ela, também eu posso dizer hoje, em vésperas de pronunciar o meu SIM pleno e definitivo perante a Igreja que irá testemunhar esta minha entrega que, finalmente, encontrei o meu lugar na Igreja.

Quero fazer parte desta raiz que fortalece a Árvore, que é a Igreja!
Quero ser uma alma de oração na Igreja e pela Igreja, intercedendo especialmente pela santificação dos nossos Sacerdotes e pelas almas que ainda não conhecem o Amor de Deus!

Com Maria junto à cruz, a dor de Jesus quero aliviar!

No silêncio do Carmelo encontrei o meu lugar!

Rezai por mim para que este SIM que vou pronunciar no dia 15 de Outubro de 2011, jamais esmoreça e tenha sempre o vigor desta minha entrega incondicional ao AMOR!

Pub