Pub

"Pelo que sei, essa situação já está regularizada. O Automóvel Clube de Portugal (ACP) pagou ontem (segunda feira) a todos os bombeiros do Algarve", afirmou Vaz Pinto, acrescentando que a situação dos colegas do Alentejo também deve estar resolvida.

O Comandante informou que recebeu na segunda feira um e-mail do ACP a dar conta da realização da transferência com as verbas que ainda se encontravam em dívida pelo trabalho prestado pelos bombeiros do Algarve no Rali de Portugal de 2010, prova que pontuou para o campeonato do mundo (WRC).

Questionado sobre se estava excluída a possibilidade de os bombeiros algarvios não prestarem serviço na próxima edição da prova, Vaz Pinto respondeu que essa hipótese não foi equacionada.

"Garantidamente nunca esteve em causa a comparência na próxima edição. Isso foi apenas falado por uma corporação", acrescentou.

No domingo, um elemento dos voluntários de Castro Verde disse à Lusa que os bombeiros poderiam “não ir ao Rali de Portugal” de 2011 se não recebessem os pagamentos pelo serviço prestado na última edição.

Segundo Filipe Susana, a situação afetava entre 20 a 30 bombeiros no distrito de Beja, estando na mesma posição os colegas do Algarve.

Em causa estavam entre 120 a 130 euros por cada bombeiro, correspondentes ao pagamento de 10 euros por hora, que devia ter sido efetuado ao fim de sete dias úteis pelo ACP, segundo a mesma fonte, frisando que também a GNR estaria na mesma situação e só o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) teria sido pago.

A Lusa contactou o ACP, que garantiu que o Ministério da Administração Interna está “ao corrente” da situação.

“Nós também não recebemos um milhão, em falta do Instituto do Desporto. Assim que recebermos será tudo pago, obviamente”, garantiu na altura fonte do ACP, indicando que a situação estava “em vias de resolução”.

Lusa

Pub