Pub

Em declarações à agência Lusa, depois de participarem numa sessão de autógrafos no concessionário da marca, em Faro, Hirvonen disse que irá tentar andar entre os três primeiros e, depois, se for possível, chegar à vitória.

"Vamos tentar melhorar as nossas últimas classificações. Os últimos ralis não foram muito bons ara mim, mas vamos tentar andar nos lugares do pódio e depois, se conseguirmos, vencer o rali", afirmou o finlandês, que não pontuou na Jordânia (3.ª prova do campeonato), foi quarto no México e Nova Zelândia (2.ª e 5.ª) e terceiro na Turquia (4.ª), depois de ter vencido na Suécia (1.ª).

Estes últimos resultados deixaram Hirvonen na terceira posição do Mundial, com 64 pontos, menos 44 do que o líder, o campeão do Mundo, o francês Sébastien Loeb (Citroen), que soma 108, enquanto Latvala é segundo, com 72 pontos.

"Ainda temos um longo caminho a percorrer. Mas nunca se sabe. Se pensarmos nos pontos, ele (Loeb) está um pouco à frente, mas se quero realmente apanhá-lo tenho que começar a ganhar provas”, respondeu o finlandês quando questionado sobre a possibilidades de bater o francês.

Relativamente ao Ford Focus RS WRC 09, Hirvonen disse que "está muito similar ao que estava no ano passado", quando andou "a bom ritmo" nas estradas portuguesas, mas reconheceu que há ainda "algumas coisas a melhorar", porque "contra o Sebastien (Loeb) tem que se fazer um rali perfeito".

Hirvonen considerou ainda que o rali de Portugal "é muito exigente", com "etapas muito técnicas", e é, "de todos os ralis mediterrânicos – Turquia, Sardenha e Grécia – o mais desafiante no que diz respeito às estradas", que são “muito duras para os pneus”.

O seu companheiro de equipa, Jari-Matti Latvala, afirmou que também espera "poder fazer um bom resultado e terminar o rali", recordando que no ano passado "foi muito difícil devido ao despiste no quarto troço" que o deixou "imediatamente fora de prova".

"Por isso, este ano quero terminar o rali e se conseguir ficar nos três primeiros ficarei muito satisfeito", acrescentou, sublinhando que Loeb "tem estado muito forte neste início de temporada".

"Mas vamos tentar pressioná-lo. Conseguimos fazer um bom resultado na Nova Zelândia, mas temos que continuar a trabalhar e a pressioná-lo. E temos também que nos lembrar que toda a equipa Citroen está muito forte neste momento", sublinhou.

Lusa

Pub