Pub

Num dia marcado pelos problemas dos Ford dos finlandeses Jari-Matti Latvala e Mikko Hirvonen, bem como no Mini do português Armindo Araújo, a Citroen cedo demonstrou que a tática de partir depois dos dois nórdicos foi a mais acertada, pois estavam mais rápidos nas primeiras classificativas do dia, tendo depois tirado o melhor partido dos problemas com os seus principais adversários.


Apesar de os Citroen estarem mais rápidos, os dois Ford ainda conseguiram se bater no arranque do dia, mas cedo começaram os problemas, com Hirvonen a furar na segunda especial, tendo mesmo recebido críticas de Loeb, pois decidiu trocar logo o pneu e arrancou mesmo à frente do gaulês.

Com a corrida praticamente terminada para Hirvonen – Loeb também afirmou na ocasião que o seu rali estava comprometido -, restava à Ford Latvala, que comandava com pouca margem sobre Ogier, mas uma transmissão partida também hipotecou a prova do nórdico, qaue caiu para terceiro, atrás de Loeb.

Nem Hirvonen conseguiu tirar partido dos problemas de Latvala, pois, logo a seguir, foi a sua vez de ter problemas com uma suspensão, tendo perdido ainda mais tempo e caído para o quinto posto, atrás do britânico Matthew Wilson (Ford Fiesta).

Em bom plano esteve o norueguês Petter Solberg (Citroen DS), que hoje venceu três das especiais de classificação e subiu nove lugares na classificação, sendo agora nono a 11.27,1 minutos de Ogier.

Solberg foi mesmo o único a rodar ao nível dos dois Citroen da frente, tendo de se queixar dos azares que o impediram na sexta-feira de lutar pelo pódio, ao furar quatro vezes na primeira etapa.

Depois de uma primeira etapa em que levou o seu Mini Cooper ao sétimo lugar da geral, o dia de hoje foi para esquecer para Armindo Araújo, que iniciou a segunda etapa já a sentir problemas no motor do seu carro, que se foram agravando com o decorrer das provas especiais de classificação.

Numa altura em que já rodava muito lento, o piloto de Santo Tirso foi ainda vítima de um furo na primeira especial da tarde, tendo depois parado na segunda devido aos problemas de motor no seu carro.

Quem aproveitou os problemas de Araújo foi Bruno Magalhães (Peugeot 207), que assumiu o primeiro lutar entre os pilotos portugueses, terminando a etapa na 12.ª posição a 16.53,8 minutos do comandante.

No domingo, cumpre-se a terceira e última etapa do rali, dividida em quatro provas especiais de classificação, com um total de 104,86 quilómetros cronometrados.

Folha do Domingo/Lusa

Pub