Pub

O chegar da carrinha colorida a uma das zonas pedonais mais movimentadas da cidade, o descarregar da mesma com a montagem de vários elementos e do sistema de som que logo começou a fazer entoar os hinos das diversas Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) desafiavam a curiosidade de quem passava e dos que trabalham nos edifícios circundantes.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Os símbolos da JMJ, em peregrinação pelo Algarve, estiveram na passada sexta-feira, ao final da tarde, na baixa de Faro. A cruz e o ícone mariano estiveram junto ao coreto do Jardim Manuel Bívar, numa das praças mais movimentadas do centro da cidade e foram ainda o pretexto a interação com os transeuntes sobre o significado e motivo daquela presença.

Este trabalho voluntário foi realizado por vários membros do Comité Organizador Diocesano (COD) da JMJ 2023 em Lisboa, por outras pessoas que a eles se juntaram e também pelos jovens da paróquia da Sé de Faro e por alunos da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica do 10º, 11º e 12º anos da Escola Secundária Tomás Cabreira que aceitaram o convite da professora Rosária Pacheco, no âmbito da proposta feita aos docentes daquela disciplina pelo Secretariado da Pastoral Escolar da Diocese do Algarve.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Com materiais fornecidos pelo COD, os estudantes construíram e decoraram pequenas cruzes que depois distribuíram aos passantes com um panfleto em língua portuguesa ou inglesa, consoante o destinatário, com uma explicação sobre os símbolos da JMJ.

No final, já de noite, os jovens da paróquia da Sé de Faro levaram em cortejo os símbolos para a catedral, a sua igreja paroquial, que ali estiveram até às 23h, passando depois para o Seminário de Faro.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Presente esteve também o padre Francisco Molho (à esquerda na foto de cima), coordenador do Departamento Diocesano de Pastoral Juvenil da Diocese de Beja, para onde os símbolos irão a seguir.

A Cruz da JMJ foi entregue pelo Papa João Paulo II aos jovens em abril de 1984 e marcou o início de uma peregrinação da juventude de todo o mundo; em 2000, o mesmo pontífice confiou aos jovens uma cópia do ícone de Nossa Senhora ‘Maria Salus Populi Romani’.

Pub