Breves
Inicio | Sociedade | Sindicato convoca buzinão de solidariedade com os trabalhadores da Litográfica do Sul

Sindicato convoca buzinão de solidariedade com os trabalhadores da Litográfica do Sul

Litografica_sulO Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul (SITE-Sul) convocou para quinta-feira um buzinão de solidariedade com os trabalhadores da Litográfica do Sul, empresa de Vila Real de Santo António em risco.

A estrutura sindical, afeta à União de Sindicatos do Algarve e à Confederação Geral de Trabalhadores Portugueses – Intersindical Nacional (CGTP-IN), anunciou ontem num comunicado a realização do protesto, a partir das 18:00, em Vila Real de Santo António, concelho no qual a Litográfica do Sul é uma das principais entidades empregadoras privadas, com 44 funcionários.

Denominado “Buzinão automóvel em defesa dos postos de trabalho na empresa Litográfica do Sul”, o protesto partirá das instalações da empresa e percorrerá as principais artérias da cidade localizada na foz do rio Guadiana, fronteira natural entre o Algarve e a região autónoma espanhola da Andaluzia.

“O SITE apela à participação da população nesta iniciativa de solidariedade com os trabalhadores da empresa”, pode ler-se na curta convocatória divulgada pelo sindicato que representa os cerca de 40 trabalhadores da empresa.

Os funcionários começaram a ter salários em atraso em fevereiro, pagos já decorria março, mês em que foi afixado um edital à porta da empresa a informar que a mesma estava sob Processo Especial de Revitalização (PER) e tinha sido nomeada uma administradora judicial.

A 27 de março, a administração da empresa reuniu-se com os trabalhadores e comunicou que não iria pagar os salários de março por dificuldades financeiras e que estava em negociações com um investidor que permitisse restabelecer a normalidade, mas advertiu que se as conversações não produzissem resultados teria que encerrar e fazer um despedimento coletivo.

Posteriormente, foi comunicado aos trabalhadores que, até ser encontrada uma solução, poderiam ficar em casa sem penalização, porque a empresa não estava a laborar por falta de matérias-primas, embora houvesse encomendas, mas o sindicato aconselhou os funcionários a manterem os horários laborais.

Fonte do SITE disse hoje à Lusa que a situação “mantém-se desde essa altura”, com os trabalhadores a cumprirem horários sem trabalho para executar e sem saberem o que o futuro lhes reserva, embora a administração tivesse entretanto pago parte dos salários de março.

“Continua a faltar pagar parte dos salários de março e o mês de abril”, lamentou.

Ao longo deste processo a Lusa tem procurado contactar com a administração da empresa, mas sem sucesso.

Verifique também

Menos de um ano depois do início da operação já não há trotinetes no Algarve

Dez meses depois de terem sido anunciadas como uma mais valia para a promoção da …