Pub

“No ano passado éramos considerados ‘outsiders’, mas este ano somos candidatos ao título”, garantiu Daniel Matos, que no fim de semana quer ver a equipa repetir “em casa” o êxito alcançado por Eugene Laverty e pela Parkalgar Honda na primeira ronda do Mundial, em Phillip Island, na Austrália.

O piloto irlandês da equipa portuguesa lidera o Mundial de Pilotos, enquanto a sua vitória e o nono lugar alcançado pelo outro piloto da Parkalgar, o português Miguel Praia, colocam a Honda na frente do Mundial de Marcas.

No Autódromo Internacional do Algarve, a equipa portuguesa vai bater-se pela primeira vitória em “casa” e a segunda da temporada, para manter a vantagem nos mundiais.

O nível competitivo que a equipa atingiu em apenas três anos, e a disputa dos títulos mundiais, acaba por causar alguma perplexidade ao próprio coordenador da Parkalgar.

“Foi feito um investimento a longo prazo e nunca pensámos que no final do terceiro ano de existência estivéssemos a lutar pelo título. Mas estamos preparados para ganhar este ano, apesar de reconhecermos as dificuldades”, destacou.

Segundo Daniel Matos, a prestação na Austrália provou a capacidade da equipa: “Demonstrou que temos condições e que podemos ganhar este ano o título pelo qual lutámos no ano passado até à derradeira corrida e que, infelizmente, não alcançámos, o de pilotos”.

O coordenador da equipa frisou que Eugene Laverty “está muito bem e todos apontam para que faça uma excelente época”, enquanto Miguel Praia “tem evoluído muito”, sublinhando que “com dois pilotos foi possível estruturar uma equipa ao nível das da frente para competir pelo título”.

“A nossa responsabilidade aumentou e essa pressão cria-nos alguns problemas psicológicos, mas acredito que serão ultrapassados com o decurso da temporada”, afirmou.

Para Daniel Matos, a vitória em Portugal será fundamental para garantir uma vantagem pontual que permita “enfrentar alguns problemas que possam surgir ao longo da época”.

Aquele responsável acredita que a Parkalgar chegará ao título do mundial de pilotos, “numa época longa, onde tudo será decidido apenas na última corrida”.

Por seu turno, Miguel Praia espera concretizar em Portimão o “sonho” de conquistar um lugar no pódio, resultado que persegue desde que iniciou o Campeonato do Mundo.

“Passo a passo, temos conseguido estar cada vez mais perto e, apesar de não ter conseguido na corrida australiana aquilo que esperava, acabei por igualar o meu melhor resultado de sempre”, observou o piloto.

“A corrida de Portimão, por ser em casa, trás maior responsabilidade e espero terminar nos três primeiros. Contudo, será mais sensato pensar em terminar entre os cinco primeiros, até porque nunca o consegui”, concluiu Miguel Praia.

Lusa

Pub