Breves
Inicio | Política | Tavira com orçamento de 36,5 milhões de euros para 2017, mais dois do que 2016

Tavira com orçamento de 36,5 milhões de euros para 2017, mais dois do que 2016

A Câmara de Tavira aprovou o orçamento para 2017 com um valor de 36,5 milhões de euros, valor global que supera em cerca de dois milhões o orçamento consolidado de 2016, disse o presidente da autarquia, o socialista Jorge Botelho.

O presidente da Câmara de Tavira, uma das 16 do distrito de Faro, definiu “a coesão social, a dinamização económica, territorial e a promoção do município e, ainda, a reabilitação e intervenções em infraestruturas” como as três principais prioridades, mas frisou que, em fevereiro, será feita a “incorporação do saldo de gerência, elevando o orçamento para cerca de 40 milhões de euros”.

“Mas, para já, o que foi aprovado, foi um orçamento de 36,5 milhões de euros, cujas principais prioridades vão muito na linha conservadora do que fizemos no ano passado. A primeira prioridade é a coesão social, a segunda é a dinamização económica, territorial e a promoção do município e a terceira são as infraestruturas que serão reabilitadas num conjunto de intervenções”, afirmou o autarca à agência Lusa.

Jorge Botelho precisou que, “na linha destas três prioridades, se distribui a repartição de verbas”, mas destacou que “as despesas com pessoal atingem cerca de 10 milhões de euros do total”, apesar de a câmara ter “vindo a reduzir o número de funcionários municipais”.

“Em 2009, eram 530 funcionários e, neste momento, são 406, o que é muito significativo e faz também com que a massa salarial seja inferior”, disse o presidente da Câmara algarvia, que também preside à Comunidade Intermunicipal do Algarve.

Jorge Botelho considerou que a “redução expressiva desde 2009 do passivo municipal, em cerca de 60%”, faz também com que “o valor de amortizações bancárias seja inferior” e “liberta verbas para investimento”, acrescentou.

O documento, aprovado por maioria simples tanto na Câmara como na Assembleia Municipal, prevê “um desagravamento de impostos”, referiu o presidente da Câmara, observando que não vai ser cobrada derrama pelo “quinto ano consecutivo”, o IMI “volta a baixar para 0,38, depois de no ano passado ter descido de 0,40 para 0,39”.

O autarca disse que a autarquia vai “dedicar cerca de 10 milhões de euros a investimento”, no reforço da rede viária e na construção de equipamentos escolares, e vai lançar concurso para nova ponte sobre rio Gilão, obra orçada em cerca de 1,2 milhões de euros, que “deverá começar em setembro”.

A requalificação do cineteatro António Pinheiro é uma obra de cerca de 5 milhões de euros e “também será lançada este ano”, enquanto a área da promoção contará com uma verba de um milhão de euros, disse Jorge Botelho.

O apoio a associações e coletividades terá uma fatia de um milhão de euros e as obras de reabilitação da habitação social gerida pelo município contará com aproximadamente meio milhão, acrescentou o autarca.

“O ano passado, depois da incorporação do saldo de gestão, ficámos com um orçamento de cerca de 34 milhões (…) Quando for feita [em fevereiro de 2017], o orçamento ultrapassará certamente os 40 milhões, mas para já temos um orçamento, antes da incorporação do saldo de gerência, de 36,5 milhões de euros, o que representa uma melhoria de dois milhões de euros relativamente ao orçamento consolidado do ano passado”, sintetizou.

Verifique também

Câmara de Loulé faz proposta para limitar urbanismo em zona central de Quarteira

O executivo camarário de Loulé vai propor, na reunião de hoje, a criação de uma …