Pub

O reitor da Universidade do Algarve (UAlg), João Guerreiro, disse à agência Lusa que esta cooperação entre o estabelecimento de ensino e área empresarial vai abranger até 50 alunos, que contarão com o apoio de 30 a 35 empresas.

“Estamos a falar de empresas das áreas do turismo, da banca e da saúde, a nível nacional, e dos serviços tecnológicos, imobiliário, rent-a-car e centros comerciais, a nível regional”, precisou João Guerreiro.

O reitor da Universidade explicou que a medida tem “duas vertentes principais”: a primeira é a de “premiar o mérito e conseguir que a Universidade conte com os melhores alunos do secundário”, enquanto a segunda está relacionada com “a responsabilidade social das empresas que aderiram ao projeto”.

João Guerreiro sublinhou que “muitas destas empresas já colaboram com a Universidade” noutros âmbitos, como a receção de alunos para estágios profissionais, e agora dão mais um passo para ajudar os alunos” com o pagamento de propinas, cujo valor ronda anualmente o milhar de euros.

“Algumas destas empresas vão inclusivamente pagar mais do que uma bolsa. O número de empresas participantes ainda não está fechado, porque ainda hoje manifestaram interesse em participar mais duas empresas, e esperamos que esta medida seja alargada nos próximos anos letivos”, acrescentou.

O reitor disse que “o trajeto académico dos alunos será monitorizado” e poderá continuar a ser incentivado após o primeiro ano da licenciatura, apesar de, neste momento, apenas estar acordada a colaboração para o ano letivo de 2012/2013.

“Vamos procurar que esses alunos, caso justifiquem a aposta, possam continuar a ser apoiados, mas também que os melhores alunos dos próximos anos possam ser atraídos para a Universidade”, frisou.

A Universidade do Algarve informou que o patrocínio “de mais de duas empresas de âmbito regional e nacional” vai permitir que “os melhores alunos do Algarve, que se matriculem no 1.º ano, no ano letivo 2012/2013”, fiquem com as propinas “integralmente pagas”.

Estes alunos poderão assim contar com o apoio no primeiro ano de licenciatura ou do mestrado integrado, de acordo com um comunicado da UAlg, que aponta para uma colaboração das empresas em “percursos formativos inovadores”.

Lusa
Pub