Pub

Castelao_rodriguesO vice-presidente da Câmara de Portimão considerou ontem “importante para o desenvolvimento turístico” do Algarve a criação da nova linha aérea Bragança/Vila Real/Viseu/Tires/Portimão, proposta pelo Instituto Nacional da Aviação Civil (INAC).

“É muito importante, porque ligará não só o município como também a região do barlavento do Algarve à capital e ao Norte do país, o que, certamente, contribuirá para o desenvolvimento e consolidação do turismo”, disse à agência Lusa Castelão Rodrigues.

“Esta rota é extremamente importante para os vários municípios do barlavento, porque facilitará a ligação entre o Norte e o Sul ao reduzir os tempos de viagem”, sublinhou o autarca.

Na opinião de Castelão Rodrigues, a criação da linha aérea faz também sentido na medida em que Portimão tem, além de um aeródromo, tem um importante porto de cruzeiros com potencial de desenvolvimento.

“Sempre fomos defensores da implementação de uma linha aérea com ligação ao aeródromo da Penina e já manifestámos todo o apoio à proposta do INAC”, frisou o autarca.

Segundo Castelão Rodrigues, a autarquia aguarda agora para saber o que é necessário fazer para concretizar a rota, o que espera que aconteça o mais rapidamente possível.

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, disse ontem que espera que a criação da linha aérea Bragança/Vila Real/Viseu/Tires/Portimão, proposta pelo Instituto Nacional da Aviação Civil, possa estar concluída ainda este ano.

O governante explicou que há muito que andava a receber apelos para que algumas infraestruturas fossem mais aproveitadas e, desde que foi encerrada a rota Trás-os-Montes/Lisboa que o Governo procurava de uma alternativa.

O secretário de Estado assegurou que a nova ligação aérea não implicará “valores muito expressivos”, acrescentando que será lançado em breve um concurso público para a realização da rota”.

Fonte do INAC disse à Lusa, que a tutela vai agora fazer contactos com os aeródromos intervenientes para depois apresentar a proposta junto da Comissão Europeia, em Bruxelas. O objetivo é o lançamento de um concurso público internacional, com o prazo de três anos, para a realização da rota que ligará “o Norte ao Sul e o Interior ao Litoral”.

Pub