Pub

“Não corro contra ninguém. O objetivo é sempre e só ganhar. Executámos a tática que estava prevista na perfeição, mantendo a fuga controlada. Cada um assumiu a sua missão até surgir o meu momento. Limitei-me a tentar e consegui, mas esta vitoria não é minha. É da equipa que se esforçou toda a etapa desde o quilómetro zero. Obrigado, equipa”, afirmou o bicampeão do “Tour” e vencedor da “Algarvia2008”.

Contador venceu hoje a terceira etapa da prova, no Alto do Malhão, assumindo a camisola amarela de líder, seguindo com 15 segundos de vantagem sobre o Machado, segundo na subida de segunda categoria.

“Não consegui estar sempre na roda dos meus colegas. Há outros corredores, com experiência, que estavam sempre a tirar-me da melhor posição. Foi uma aflição nos últimos quilómetros. Foi pena porque talvez tivéssemos conseguido vencer”, queixou-se Machado.

O corredor de Famalicão mostrou-se “contente” com os “frutos do trabalho de pré-temporada” que o deixaram a poucos segundos do “segundo melhor do Mundo” (Contador) por considerar, em jeito de provocação, que o norte-americano e seu chefe de fila, Lance Armstrong, “é que é o número 1”.

Contador coabitou muito tensamente na temporada passada com o recordista de vitórias na Volta a França (sete), Armstrong, na equipa Astana, no regresso à competição do ciclista texano, três épocas depois da “reforma”.

Armstrong, que vai novamente tentar vencer a “Grande Boucle” em 2010, após triunfo de Contador em 2009, lidera agora o projeto RadioShack, com quatro portugueses: o diretor desportivo, José Azevedo, dois corredores, Machado e Sérgio Paulinho, e um mecânico, Francisco Carvalho.

“Pode ser que consiga a primeira vitória no contrarrelógio de domingo”, concluiu Machado, referindo-se à quinta e última etapa da “Algarvia”, um “crono” de 17,2 quilómetros, entre Lagoa e Portimão.

Lusa

Pub