Pub

Vaugrenard, de 28 anos, campeão francês de contrarrelógio em 2007, atacou forte pelo lado direito, numa das lombas em que a coluna abrandou, a 800 metros da meta, e conseguiu três segundos de vantagem sobre o espanhol Joan Horrach (Katusha) e cinco de distância para o restante grupo, terminando os 157,5 quilómetros desde o Estádio Algarve em 4:10.42 horas (média:37,694 km/h).

“Aproveitei ali nas lombas e arranquei, já depois de o (Alberto) Contador ter feito o mesmo. Foi uma saborosa vitória. Vai ser difícil manter-me no topo da classificação, sobretudo na montanha, mas a equipa está motivada”, afirmou o corredor gaulês.

Um dos favoritos ao sprint final, o alemão André Greipel (Columbia), vencedor do recente Tour Down Under, admitiu a distração: “houve corredores que estiveram melhor, foi o que se passou”.

Numa tirada com alguma chuva, o quarteto formado por Pedro Lopes (CC Loulé), Luís Pinheiro (Madeinox-Boavista), Hugo Sabido (LA-Paredes) – vencedor da “Algarvia2005” – e o belga Jeroume Baugnies (Topsport) isolou-se logo aos oito quilómetros, gozando de uma vantagem de quase 10 minutos, perto dos 90 quilómetros.

A audácia foi premiada com a camisola das metas volantes para Sabido e com a da montanha para o corredor belga, mas a fuga viria a ser anulada a cerca de 20 quilómetros do fim, sobretudo pelo trabalho da Columbia em prol de Greipel, sobrando um derradeiro “fogacho” de Lopes.

Vaugrenard comanda a tabela geral, com sete segundos de vantagem sobre Horrach e 11 sobre Greipel. Rui Costa (Caisse d’Epargne) foi o melhor português do dia, terminando no sétimo posto, a cinco segundos, e é nono da geral, a 15 do líder, mas Luís Pinheiro (Madeinox-Boavista) é o luso mais bem classificado, surgindo a 13 segundos do francês, graças às bonificações ganhas em metas volantes.

O espanhol e bicampeão do “Tour” Alberto Contador (Astana) chegou muito bem colocado no pelotão, no 16.º lugar, e perdeu apenas cinco segundos igualmente, ocupando o 18.º posto na geral, a 15 segundos do líder.

Quinta feira, o pelotão enfrenta a segunda e mais longa etapa, que vai ligar Sagres a Lagos, ao longo de 207,5 quilómetros, num percurso com quatro contagens de montanha de terceira categoria.

Lusa

Pub