Inicio | Educação | 8º Cenáculo Regional do Algarve reuniu Caminheiros e Companheiros do CNE em Faro

8º Cenáculo Regional do Algarve reuniu Caminheiros e Companheiros do CNE em Faro

Cinquenta e oito dos cerca de 200 Caminheiros e Companheiros (escuteiros dos 18 aos 22 anos, respetivamente dos ramos terrestre e marítimo) do Corpo Nacional de Escutas (CNE) participaram no passado fim de semana no oitavo ciclo do Cenáculo, um fórum que visa o debate sobre temas de interesse para o desenvolvimento da IV secção escutista.

Incluindo equipa organizadora e observadores, o total de participantes perfez os 76 elementos neste fórum, que procura igualmente estimular os processos de tomada de decisão a todos os níveis, incitando aqueles escuteiros da IV secção do CNE a serem mais ativos e participantes no movimento, na Igreja e na sociedade. No cenáculo todos os participantes têm oportunidade de partilhar ideias e experiências, bem como de apresentar sugestões.

A coordenadora geral do ciclo deste ano do Cenáculo, que teve lugar de sexta-feira até domingo nos anexos do Seminário de São José de Faro, explicou ao Folha do Domingo que a iniciativa visou levar os participantes a uma maior proatividade, quer na região, quer nas atividades internacionais do movimento escutista.

Raquel Jacob adiantou que o encontro abordou ainda a dimensão pessoal do serviço dos elementos da IV secção. “Fizemos um plenário ainda para que pensemos melhor na forma como encaramos a nossa promessa e como a vivemos todos os dias”, afirmou, destacando, como exemplo, a importância de servir através das tarefas diárias mais simples.

Aquela responsável contou ainda terem sido discutidas “formas de agir” com vista à colaboração corporativa na região em necessidades específicas como nos trabalhos de recuperação dos estragos provocados por intempéries.

Foi ainda abordada a “responsabilidade do Caminheiro/Companheiro no movimento e na secção” tendo em vista uma maior participação nas atividades e um maior envolvimento dos jovens escuteiros na “mística da quarta secção”. “É uma secção muito complicada em que vamos para a universidade e surgem outros interesses. Há muitas saídas”, constatou Raquel Jacob, acrescentando que um dos plenários procurou compreender o motivo dessa realidade e encontrar soluções.

As propostas que pretendem levar a cabo e os objetivos que querem cumprir durante este ano incluíram, uma vez mais, as conclusões para a C(y)arta, um documento que resulta do Cenáculo e que foi publicado no sítio do Cenáculo, tendo sido também enviado para a equipa nacional e divulgado à Junta Central do CNE. No Algarve, a reflexão deste órgão consultivo do CNE é enviada também à Junta Regional e aos agrupamentos da região.

“O último plenário foi sobre aquilo que nos une e nos traz aqui que é a fé, que nos difere de outras organizações e como é que podemos vivê-la e aplicá-la a esta mística que envolve a nossa secção”, acrescentou ainda a coordenadora geral.

O encontro, que teve apoio da União de Freguesias e de uma pastelaria de Faro nas refeições, contou ainda no sábado à noite com o tradicional Fogo de Conselho, seguido de um momento de oração.

No domingo, o oitavo ciclo do Cenáculo, que teve como lema “Lembra-te de quem és” e foi desenvolvido em torno do imaginário do filme de animação “O Rei Leão”, incluiu a celebração da eucaristia presidida pelo padre António de Freitas.

 

Verifique também

Salas de 16 escolas de Albufeira com climatização até ao fim do mês

As salas de aula de 16 escolas e de um centro educativo do concelho de …