Pub

50_aniversario_agrupamento_cne_silves1O Agrupamento 181 de Silves do Corpo Nacional de Escutas (CNE) celebrou 50 anos de existência no passado sábado e as bodas de ouro foram assinaladas no Dia de Baden-Powell (BP) e na eucaristia paroquial, no dia seguinte.

Decorria o ano de 1964 quando a Ordem de Serviço Nacional número 235, assinada pelo então chefe nacional do CNE, José de Lencastre, formalizava a filiação do agrupamento de Silves, cuja direção era constituída na altura pelo chefe de agrupamento Salvador de Sousa Fava, pelo assistente padre José dos Santos Oliveira, pelo secretário Joaquim Gonçalves, pelo chefe de Alcateia José Manuel Martins Alves e pelo instrutor José Júlio Mourinho.

José Manuel Costa, o atual chefe do agrupamento que conta, presentemente, com 58 elementos – 16 Lobitos (6 a 10 anos), 12 Exploradores (10 a 14 anos), 16 Pioneiros (14 a 18 anos), 6 Caminheiros (18 a 22 anos) e 8 dirigentes –, garante em declarações ao Folha do Domingo que o balanço deste meio século de existência “é positivo”. “O agrupamento tem tido alguns altos e baixos. Já tivemos mais de 100 elementos mas também já fomos cerca de 20”, afirma, considerando que o agrupamento escutista está rejuvenescimento. Para isso diz ter contribuído a colaboração na fundação de dois agrupamentos vizinhos, em Algoz e Messines.

O agrupamento funciona numa sede, cedida pela Câmara Municipal, na estrada de Silves para Messines, um pavilhão onde funcionou o Instituto da Água, e conta também com o espaço de uma antiga escola no sítio do Falacho, igualmente disponibilizada pela autarquia, que utilizam como base para acampamentos e acantonamentos. “Faltam algumas obras de conservação mas, em termos de espaço, é óptimo”, diz o dirigente escutista sobre a sede.

José Manuel Costa explica que a parceria com o município tem sido intensificada nos últimos anos, sobretudo ao nível da participação na regulação municipal de proteção civil. O agrupamento teve uma ação efetiva nos trabalhos de limpeza e recuperação após o tornado que atingiu a cidade em novembro de 2012 e tem integrado vários simulacros promovidos pela Proteção Civil.

O chefe de agrupamento adianta ainda que os escutas de Silves, concretamente através dos jovens Pioneiros e Caminheiros, estão a iniciar um projeto em colaboração com o pelouro de ação social da Câmara Municipal para acompanhamento de idosos. A iniciativa visa minimizar a solidão, realizar pequenos trabalhos em casa, ajudar na limpeza dos domicílios ou na realização de pequenos recados.

Nesta área, aqueles escuteiros têm já a experiência da colaboração com o lar de idosos da Santa Casa Misericórdia de Alcantarilha, onde, uma vez por mês, ajudam os idosos a tomar o almoço.

No sábado, o chefe José Manuel Costa agradeceu, no final da eucaristia do Dia de BP, a todos os dirigentes que passaram pelo agrupamento e que permitiram o mesmo que tivesse chegado aos dias de hoje.

50_aniversario_agrupamento_cne_silves2No domingo, a eucaristia de ação de graças pelos 50 anos do agrupamento, na qual se realizou a bênção da nova bandeira e a promessa de cinco Caminheiros, foi participada por alguns dos seus antigos membros.

50_aniversario_agrupamento_cne_silves3Ao longo deste ano, o agrupamento pensa ainda realizar uma peregrinação a Fátima e algumas atividades conjuntas com antigos membros.

Pub