Pub

A Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) aprovou um orçamento de quatro milhões de euros para 2020, verba que vai permitir prosseguir o trabalho nas áreas da adaptação às alterações climáticas, mobilidade e florestas, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a AMAL adianta que as Grandes Opções do Plano (GOP) para 2020 serão decisivas na preparação do próximo período de programação europeia – que decorre entre 2021 e 2027 – razão pela qual criou um plano designado “Algarve 2030, na perspetiva dos municípios”, onde “procura concertar uma estratégia de desenvolvimento para a região na próxima década”.

O próximo ano será ainda de “afirmação” da AMAL enquanto Autoridade Regional de Transportes, estimando-se que a assinatura do contrato com a EVA – empresa à qual foi adjudicada a concessão do serviço público de transporte rodoviário de passageiros na região – ocorra ainda este ano para que o serviço arranque em agosto de 2020.

A EVA venceu, em novembro, o concurso internacional para a exploração do serviço público de transportes no Algarve, lançado com o objetivo de “reforçar e melhorar a mobilidade em 98 das linhas do sul do país”.

Na área da mobilidade, a AMAL continuará, também, a gerir na região o Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) nos transportes públicos.

A adaptação às alterações climáticas é outras das áreas em destaque em 2020, ano que marcará a implementação do Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas.

O plano visa dotar os 16 municípios abrangidos pelo território da AMAL “de estratégias de adaptação às ameaças concretas decorrentes da degradação ambiental que ameaça o planeta”.

Outro dos pontos contemplados no orçamento para 2020 é a constituição do Gabinete Florestal da AMAL e de uma brigada de Sapadores Florestais que irá incidir a sua ação no interior da região.

Na Assembleia Intermunicipal, cujos trabalhos foram dirigidos pelo presidente da mesa, Adriano Pimpão, foi igualmente votada e aprovada uma moção do Bloco de Esquerda (BE) e duas da CDU.

A do BE recomendava a dessalinização e reutilização das águas, para promover a sustentabilidade dos recursos hídricos do Algarve, e as duas apresentadas pela CDU eram respeitantes à abolição das portagens na Via do Infante e à criação das regiões administrativas durante o ano de 2021.

Este último assunto será levado a reunião extraordinária deste órgão, conclui a AMAL.

Pub