Inicio | Política | Bispo do Algarve lembrou no Dia Mundial da Paz a importância da política como “meio de servir a sociedade”

Bispo do Algarve lembrou no Dia Mundial da Paz a importância da política como “meio de servir a sociedade”

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O bispo do Algarve lembrou ontem que a política “é um meio de servir a sociedade” e de “participar e colaborar no bem comum”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A propósito da mensagem do papa para o 52º Dia Mundial da Paz que ontem se celebrou, intitulada ‘A boa política está ao serviço da paz’, D. Manuel Quintas lamentou alguma mentalidade de desconfiança em relação a quem exerce cargos políticos. “Às vezes, há um pouco a mentalidade que basta que alguém seja político para já ser classificado como uma pessoa da qual temos de desconfiar ou duvidar. Não pode ser assim!”, afirmou, evidenciando a importância de “afirmar a dignidade da política”, o que segundo Francisco a torna numa “forma eminente de caridade”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Na eucaristia a que presidiu à tarde, como acontece anualmente, no Santuário de Nossa Senhora da Piedade (popularmente conhecida como Mãe Soberana), em Loulé – o santuário mariano de maior expressão no Algarve – por se celebrar também no primeiro dia do ano a solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, o prelado lembrou que as “atitudes”, “gestos” e “opções” daqueles “que se dedicam à causa pública e fazem disso um ideal de vida, de serviço aos outros” “são decisivas para construir uma paz duradoura” para o “bem-estar de todos”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Mas o bispo diocesano acrescentou que “quando se fala em política não é apenas para aqueles que fazem dessa opção a sua ação para o bem comum”. “Todos nós somos corresponsáveis pelo bem-estar de todos, pela polis, pela cidade”, sustentou, pedindo, por conseguinte, que cada um “se sinta corresponsável em participar ativamente quando é chamado, sobretudo, nas eleições, através do voto”. “Como é importante que nós não deleguemos noutros aquilo que nos compete a nós e exerçamos os nossos direitos e deveres a este nível”, afirmou, lembrando que este ano haverá eleições para o Parlamento Europeu e para a Assembleia da República.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“O papa diz-nos que é fundamental combater o crescente absentismo, o desinteresse e o alheamento com a participação responsável nas decisões que determinam o rumo do próprio país, sobretudo, através do voto”, prosseguiu D. Manuel Quintas, acrescentando que “cresce, cada vez mais, o número daqueles que se abstêm de participar, por exemplo, nas eleições”. “Parece que os jovens caminham por outro caminho, não se sentem atraídos por isso. Porque é que será? O que é que será preciso fazer para não crescer este absentismo e caminhar à margem daquilo que são as grandes opções que definem o presente e o futuro de uma sociedade e que passa necessariamente por opções que estejam ao serviço da paz?”, interrogou.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Lembrando que “cada um pode contribuir para a construção da casa comum”, o bispo do Algarve disse ser preciso “agir de modo a estabelecer entre as gerações presentes e futuras laços de confiança e gratidão”, “reconhecer as capacidades de cada pessoa e encorajar a participação política das jovens gerações”.

Mas D. Manuel Quintas acrescentou ainda que a participação na causa pública implica também “denunciar atitudes sem ética da parte de quem se esperaria um comportamento exemplar”, “pôr fim à marginalização e mesmo à exploração de quem vive fora do seu país, longe da sua família, cultura e terra”, lembrando os refugiados. “Sabemos como é um drama nos dias de hoje para eles e como tanta gente tem medo, quer construir muros, quer impedir que toda esta gente encontre situações melhores para a sua vida e para a vida dos seus, com todos os problemas que isso traz. Não devemos desmobilizar-nos, nem condenar ao ostracismo todos aqueles que procuram um futuro melhor”, pediu.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo
Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O bispo diocesano apelou ainda a que se rejeite “toda a violência verbal com os adversários”, proferida em “discursos baseados na hostilidade, no ódio”, bem como “uma cultura de guerras e o consequente comércio de armas perante a cumplicidade daqueles que permanecem indiferentes ao destino que lhe é dado”, problemáticas que o papa também aborda e que D. Manuel Quintas reforçou como “muito importantes nesta construção da paz”.

“A paz é um desafio que requer ser abraçado dia após dia, supõe uma conversão do coração e do espírito nas suas vertentes pessoal e comunitária que são indissociáveis”, concluiu na eucaristia que disse servir também para pedir a “bênção” e a “proteção materna de Maria”, “para cada um dos dias deste novo ano” e na qual desafiou cada cristão a “acolher Cristo como a grande bênção de Deus para este ano”. “Que esta presença de Cristo na nossa vida produza frutos, sobretudo, de paz”, desejou.

Verifique também

Parlamento louva Universidade do Algarve pelos 40 anos de existência

A Assembleia da República aprovou ontem dois votos de louvor apresentados por PSD e por …