Breves
Inicio | Política | Bloco de Esquerda propõe divisão do Centro Hospitalar do Algarve em duas unidades de saúde

Bloco de Esquerda propõe divisão do Centro Hospitalar do Algarve em duas unidades de saúde

Bloco_esquerda_bandeirasO Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) propôs ontem a criação de unidades locais de saúde no Algarve, no Sotavento e no Barlavento, e a extinção do Centro Hospitalar do Algarve (CHA).

Em comunicado, o BE refere que, para os deputados, no projeto de resolução entregue hoje na Assembleia da República, a solução encontrada para a criação do CHA, a 17 de maio de 2013, “nada melhorou nos cuidados de saúde no Algarve”, relembrando a carta subscrita por 180 dos 230 médicos, em janeiro deste ano, que denunciaram a degradação dos serviços hospitalares.

Para o Bloco, “urge reconhecer o erro e constituir duas unidades locais de saúde no Algarve”, uma situada no Barlavento (Oeste) e outra no Sotavento (Leste), já que só esta medida permitirá “uma gestão integrada mais eficaz garantindo melhores condições para a efetiva prestação de cuidados às populações”.

A bancada parlamentar do BE aludiu ainda ao encerramento de valências e serviços, à “inoperacionalidade” das Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação (VMER), à falta de camas na rede nacional de cuidados continuados integrados, à dificuldade no acesso a medicamentos de dispensa hospitalar e à falta de profissionais.

“A situação vivida no Algarve no que concerne a cuidados de saúde merece atenção e deve ser alvo de intervenção, de modo a garantir que as populações acedem aos cuidados de saúde de que necessitam e aos quais têm direito. Todas as evidências comprovam que a decisão de constituir o CHA não está a dar bom resultado”, afirma o BE.

Desde julho do ano passado, que o conselho de administração do Centro Hospitalar do Algarve (CHA) passou formalmente a reunir os hospitais de Faro, Lagos e Portimão.

A nova entidade ficou a gerir os hospitais públicos do Algarve “com vista à otimização dos recursos e consequente melhoria dos cuidados de saúde à população”, de acordo com informação divulgada pelo Ministério da Saúde na altura.

O decreto-lei n.º 69/2013, de 17 de Maio, foi o que estabeleceu a extinção do Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio e do Hospital de Faro, “com dispensa de todas as formalidades legais”, na data da sua entrada em vigor.

Aprovada em Conselho de Ministros em 17 de abril, a criação do CHA foi proposta e justificada pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve “como um importante instrumento de gestão para otimizar a gestão das unidades de saúde e permitir uma resposta aos crónicos constrangimentos de recursos humanos”.

Verifique também

Jorge Botelho deixará as presidências da Câmara de Tavira e da AMAL se for eleito deputado

Conforme noticiámos na segunda-feira, o presidente da Câmara de Tavira e da Comunidade Intermunicipal do …