Pub

O presidente da Câmara de Faro afirmou na terça-feira que o serviço do INEM pode entrar em rutura por falta de profissionais e exaustão das equipas que estão a fazer horas extraordinárias nas ambulâncias de Faro e Olhão.

“Os profissionais não vão aguentar muito tempo com este recurso a horas extraordinárias, primeiro porque há limites legais e depois porque o cansaço das pessoas não vai permitir que eles continuem a fazer isto”, disse Rogério Bacalhau à Lusa.

O autarca enviou na terça-feira um ofício ao ministro da Saúde pedindo a resolução urgente da situação, seja por via de autorização do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) para contratar mais profissionais ou com o reforço das equipas através de transferência de profissionais de outros locais do país.

“A subsistência desta situação coloca em risco a assistência médica de urgência e discrimina negativamente os farenses”, lê-se no ofício enviado ao ministro da Saúde, divulgado pela Câmara de Faro.

À Lusa, Rogério Bacalhau frisou que a falta de profissionais nas equipas do INEM é “recorrente no Algarve” e que, “mesmo na época baixa, se houver várias ocorrências ao mesmo tempo, não há capacidade de resposta”.

As equipas em causa estavam atribuídas à ambulância sediada no Hospital de Faro e à ambulância de recém-nascidos, mas os seus turnos foram entretanto distribuídos também com uma ambulância do INEM localizada em Olhão.

Esta foi a solução proposta pelos próprios profissionais para evitar que a ambulância de Faro ficasse inativa durante os períodos noturnos, no mês de dezembro, segundo um comunicado emitido no final de novembro por um técnico de emergência pré-hospitalar do INEM.

“O INEM, para resolver esta questão, precisa que o Governo autorize a tomar medidas e é nesse sentido que mandámos um ofício para o ministro para que ele de alguma forma seja sensível e autorize o INEM a tomar as medidas necessárias à contratação de profissionais”, contou Rogério Bacalhau.

A questão tem vindo a suscitar críticas de deputados do PSD, do Bloco de Esquerda e da CDU eleitos pelo Algarve.

Segundo os deputados sociais-democratas, a equipa do INEM no Algarve tem uma insuficiência de recursos humanos de aproximadamente 40 pessoas.

O INEM tem atualmente em funcionamento 56 ambulâncias de emergência médica no continente, seis das quais na região do Algarve.

Pub