Inicio | Economia | Comissão Europeia atribui Denominação de Origem Protegida ao sal e flor de sal de Tavira

Comissão Europeia atribui Denominação de Origem Protegida ao sal e flor de sal de Tavira

Salina_salA Comissão Europeia acrescentou hoje o sal e a flor de sal de Tavira e a maça riscadinha de Palmela à lista dos produtos com Denominação de Origem Protegida.

O sal e a flor de sal de Tavira é sal marinho colhido à mão nas salinas do Parque Nacional da Ria Fomosa.

A garantia de qualidade e um produto respeitador das normas de higiene e segurança são benefícios que a designação DOP traz para a Flor de Sal-Sal de Tavira, disse o responsável pela candidatura.

Rui Francisco Neves Dias, empresário que explora salinas na zona de Tavira, foi o principal impulsionador da candidatura da Flor de Sal-Sal de Tavira a Denominação de Origem Protegida e disse hoje à Lusa que a classificação anunciada pela Comissão Europeia trás benefícios, mas também responsabilidades.

“Para qualquer parte do Mundo, uma Denominação de Origem Protegida vai proteger o produto para que ninguém possa imitar e dizer que é uma coisa que não é, mas traz também obrigações, porque tem de ser embalado com o meu nome, não pode ser vendido com outro nome e não pode ser comercializado como marca branca”, afirmou o produtor.

A mesma fonte acrescentou que a classificação é também “uma garantia para o cliente de que está a comprar um produto genuíno”.

“É um produto que sai daqui da minha casa, é feito por mim, em condições de higiene e segurança alimentar, longe de esgotos e de tudo o que é poluente”, acrescentou o produtor, que sublinhou ter trabalhado vários anos para conseguir chegar a esta classificação.

O papel do produtor tavirense na classificação da Flor de Sal-Sal de Tavira como Denominação de Origem Protegida foi também destacado pelo presidente da câmara local, Jorge Botelho, que disse ter visto a classificação como “reconhecimento pela extrema qualidade da Flor de Sal de Tavira, que é um produto 100 por cento puro”.

O autarca considerou ainda que este “é um reconhecimento da pureza da arte de fabricação artesanal, dos produtos tradicionais de Tavira, encaixado nesta dinâmica de Tavira como o Algarve preservado e com formas artesanais de produção, mas acima de tudo pela pureza, pela sustentabilidade e pela qualidade dos produtos apresentados” pelo produtor.

A Comissão Europeia aprovou a Denominação de Origem Protegida ao produto “Flor de Sal de Tavira”/”Sal de Tavira” na sequência de um pedido que lhe tinha sido dirigido em 2011.

“O sal marinho é obtido por colheita manual, a partir do processo natural de precipitação da água do Oceano Atlântico, na região geográfica delimitada, que circula num sistema de viveiros, até à cristalização final nos talhos”, nas freguesias de Santa Luzia, Santiago e Santa Maria, pode ler-se na candidatura do produto citada pela Comissão Europeia.

A Denominação de Origem Protegida inclui já mais de 1.200 produtos na União Europeia.

com Lusa

Verifique também

Presidente da AMAL aplaude transportes mais baratos, mas diz ser preciso tempo para ajuste

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) aplaudiu ontem a implementação do Programa de …