Breves
Inicio | Cultura | Dieta mediterrânica classificada pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade

Dieta mediterrânica classificada pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade

XaremA dieta mediterrânica foi hoje classificada como Património Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) em Baku, no Azerbaijão, disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Tavira.

A decisão foi tomada hoje durante a 8.ª Sessão do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO, onde esteve presente uma delegação portuguesa, liderada pela Câmara de Tavira, que submeteu a candidatura transnacional em conjunto com o Chipre, a Croácia, a Grécia, a Espanha, a Itália e Marrocos.

A candidatura conjunta da Grécia, Espanha, Itália e Marrocos, em novembro de 2010, foi completada por Portugal, Chipre e Croácia em março de 2012.

Após ser conhecida a decisão, o presidente da Câmara de Tavira, Jorge Botelho, disse à agência Lusa que “é uma satisfação enorme” o reconhecimento da Unesco, porque “não é todos os dias que a terra e a comunidade onde se tem responsabilidades se transformam em património da Humanidade” por uma declaração do “órgão máximo a nível mundial para a inscrição de propostas e boas práticas culturais”.

“É o corolário de mais de dois anos e meio de trabalho. Começámos este trabalho há muito tempo por proposta e convite do Governo português e quero agradecer ao Governo português pela ajuda que nos deu e agradecer a todos os que trabalharam nesta candidatura”, acrescentou o autarca.

Jorge Botelho sublinhou que a distinção da dieta mediterrânica como Património Imaterial da Humanidade é “seguramente uma grande oportunidade, mas acima de tudo é um grande reconhecimento daquilo que Tavira é hoje” e representa um “enorme potencial” para o concelho, o Algarve e Portugal.

O presidente da Câmara algarvia admitiu que, após a classificação por parte da Unesco, é agora necessário trabalhar para manter as características que levaram à aceitação da candidatura e potenciar turística e economicamente a dieta mediterrânica.

“Isto trás uma enorme responsabilidade de preservação e de sustentabilidade para o futuro daquilo que nós estamos a fazer hoje. A Unesco reconhece patrimónios autênticos, patrimónios preservados e boas práticas que devem ser seguidas para o futuro. Ora esta é que é a base da nossa candidatura, da nossa autenticidade e o nosso valor que hoje foi reconhecido”, afirmou Jorge Botelho.

Depois da classificação do fado, há dois anos, Portugal volta a integrar a lista de bens do Património Imaterial e Cultural da Humanidade com a dieta mediterrânica, sendo esta a primeira vez que a região do Algarve vê a sua cultura reconhecida pela UNESCO.

Portugal tem Tavira como a sua comunidade representativa, que assegurou o processo técnico de preparação da candidatura, ao longo de dois anos e meio.

O presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC), Manuel Carrageta, considerou que a classificação trará benefícios para a saúde, mas também para a economia, com o reconhecimento dos produtos portugueses.

O presidente da FPC disse à Lusa que foi com “muita satisfação e alegria” que recebeu a notícia, uma vez que foi a Fundação que lançou em 2010 uma campanha de candidatura da dieta mediterrânica à UNESCO, por ser uma alimentação que reduz o risco de acidentes cardíacos e simultaneamente promove internacionalmente o país.

“Estamos muito felizes porque foi uma vitória do nosso país”, comentou o cardiologista, contando que “a fundação, que está dentro da Medicina, das doenças e da prevenção, viu que havia uma grande virtualidade em que a dieta mediterrânica fosse celebrada em Portugal e fosse considerada património Imaterial da humanidade”.

“Fomos os pais da ideia, lançámos a ideia, as coisas correram bem, mobilizámos a cidade de Tavira e os poderes políticos e estamos muito satisfeitos, porque isso tem implicações positivas para Portugal”, sustentou.

Com esta distinção, sublinhou, os produtos portugueses “são mais reconhecidos”, nomeadamente o azeite, o vinho, o peixe, as frutas, as hortaliças e as hortaliças.

“Tudo isso são pilares da dieta mediterrânica e, por isso, é uma grande valorização dos nossos produtos e isso tem impactos económicos positivos para o nosso país e para os nossos produtores, numa fase difícil”, disse o cardiologista.

Manuel Carrageta observou que, “as pessoas em todo o mundo, sobretudo nos Estados Unidos e na Europa do Norte, celebram a dieta mediterrânica, que é considerada unanimemente, em termos científicos, como a dieta que tem a alimentação mais saudável, além de ser extremamente saborosa”.

O cardiologista espera que, com esta distinção, se volte a valorizar a dieta mediterrânica em Portugal.

“A dieta mediterrânica estava moribunda e estava a crescer muito a ‘fast food’ e isto permite equilibrar a situação”, frisou.

Salientou ainda a importância desta dieta para prevenir doenças cardiovasculares, a obesidade, a diabetes e o cancro.

A dieta mediterrânica, com origem no termo grego “daiata”, é um estilo de vida transmitido de geração em geração, que abrange técnicas e práticas produtivas, nomeadamente de agricultura e pescas, formas de preparação, confeção e consumo dos alimentos, festividades, tradições orais e expressões artísticas.

com Lusa

Verifique também

Sustentabilidade é o mote da Bienal Ibérica de Património Cultural em Loulé

A Bienal Ibérica de Património Cultural elegeu a Sustentabilidade como mote da edição deste ano, …