Pub

Pela primeira vez se reúne um conjunto de peças de enorme valor artístico e religioso, para que as mesmas sejam apresentadas ao público, de forma integrada num percurso expositivo cujo andamento será marcado pelas afirmações do chamado “Símbolo dos Apóstolos” ou “Credo” que resumem a fé cristã.

Neste sentido, o Museu de Portimão juntamente com a comunidade paroquial, têm vindo a trabalhar na conceção e montagem da exposição de arte sacra intitulada “Creio”, que irá integrar o programa das comemorações do 5º aniversário do museu, com inauguração marcada para as 15h do dia 25 de maio, durante a qual tomará a palavra o bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, seguindo-se uma visita guiada pelo padre Mário de Sousa, pároco da matriz de Portimão.

A mostra reúne cerca de 50 valiosas peças de arte de diversas paróquias algarvias, abrangendo um período de 500 anos, que ilustram afirmações da fé católica, enquanto traduzem de igual forma a imaterialidade da fé e da cultura dos algarvios.

Óleos sobre madeira e tela, peças em ouro, prata e marfim, barro policromado, mármore, madeiras estofadas e policromadas, veludo e sedas bordadas, são algumas das preciosidades religiosas de toda a região que foram reunidas, com origens tão remotas como a Índia, o Japão, a Jordânia ou a Pérsia e que abarcam a arte sacra criada entre os séculos XV e XIX.

Esta exibição, que ficará patente no Museu de Portimão até 15 de setembro, contará ainda com uma moeda de ouro do século I, coincidente com o período de governação do imperador Tibério.

Contribuem com peças dos seus acervos o Paço Episcopal de Faro, o Seminário de São José da Diocese do Algarve, as paróquias de Olhão, Estoi, Marmelete, Porches, Cachopo, Aljezur, Sé de Faro, São Pedro de Faro, Alvor, Moncarapacho, Silves, Ferragudo, São Sebastião de Loulé, Pêra, Vila do Bispo, Santa Maria de Lagos, Portimão e a Ordem Terceira do Carmo (Faro), assim como José Paulo Costa.

Pub