Breves
Inicio | Desporto | Farense vai apresentar plano de insolvência para pagar 5 milhões de euros a credores

Farense vai apresentar plano de insolvência para pagar 5 milhões de euros a credores

O Sporting Clube Farense vai ter de apresentar, em 60 dias, um plano de insolvência para pagar cerca de cinco milhões de euros a credores, segundo decisão da assembleia de credores realizada na segunda-feira, informou o administrador de insolvência.

“O clube vai ter de apresentar um plano de insolvência ao tribunal, no prazo de 60 dias, a partir de hoje. Os credores serão depois notificados e chamados a votar esse plano”, disse António Emílio Pires aos jornalistas, após a assembleia de credores realizada no Juízo de Comércio de Olhão do Tribunal Judicial da Comarca de Faro.

O tribunal tinha decretado, no dia 21 de fevereiro, a insolvência do Farense, decisão tomada na sequência de uma ação judicial intentada em 2011 por uma ex-funcionária.

O administrador de insolvência explicou que o total de créditos reclamados ronda os cinco milhões de euros e que o plano de pagamento hoje aprovado pelos credores implica “uma forma de pagamento, faseada no tempo, que pode ir a cinco, a dez ou a 15 anos”.

Na assembleia estiveram presentes 14 credores: 12 votaram a favor da apresentação do plano de insolvência sugerida pelo clube, incluindo a ex-funcionária que interpôs o pedido de insolvência, e dois abstiveram-se, informou o administrador de insolvência.

O presidente do Farense, António Correia, em declarações aos jornalistas, nomeou os abstencionistas – o antigo futebolista Carlos Costa e o Ginásio Clube Naval de Faro – e manifestou-se “triste” por “um ex-jogador e uma instituição da cidade de Faro” terem tomado essa decisão.

O plano de insolvência, cuja aprovação evita a imediata liquidação do insolvente, deve ser apresentado até 15 de junho e, depois, os credores serão notificados e chamados para votarem o documento.

“Se for aprovado, o Farense fica obrigado ao cumprimento daquele plano”, afirmou António Emílio Pires.

A outra decisão da assembleia de credores da passada segunda-feira foi a de que o clube continuará a ser gerido pelos atuais dirigentes, ficando o administrador de insolvência encarregue de fiscalizar “os atos de maior relevo”, como vender ou hipotecar um ativo.

O presidente do Farense lembrou ainda que este processo está condicionado aos recursos que o clube apresentou contra a decisão inicial, nos tribunais de Évora e de Olhão, que, sendo deferidos, terminarão com a própria insolvência.

O Farense, fundado em 1910 e que disputou o principal escalão do futebol português em 23 ocasiões, conta atualmente com meia dúzia de modalidades, incluindo futebol, mas apenas nas camadas jovens, estando a gestão do futebol sénior a cargo da SAD.

Verifique também

Ewerton volta ao Portimonense por empréstimo do FC Porto

O Portimonense, da I Liga portuguesa de futebol, anunciou na terça-feira o regresso, por empréstimo, …