Pub

Parece que foi ontem e já decorreram sessenta e três anos desde que um grupo de jócistas algarvios rumou a Roma para participar no «Encontro Mundial da Juventude Operária Católica» que então decorreu na «Cidade Eterna», sob a presidência de Sua Santidade o Papa Pio XII (Eugénio Pacelli). Tal, como hoje, neste Santo Domingo da Ressurreição do Senhor, em que escrevo este testemunho, a juventude algarvia deveria rumar à Urbi, onde Pedro e Paulo, foram martirizados. A pandemia não o permitiu agora, o que pedimos a Deus, possa acontecer em 22 de Novembro, a quando da festividade do Cristo Rei, neste XXXV Dia Mundial da Juventude e sob o apelo orante de: «Jovem, Eu te digo, levanta-te! (Evang. São Lucas, cap. 7, vers. 14). Será um encontro emocionante com o Papa Francisco I, que veio do Novo Mundo para criar um Mundo renovado em Cristo e na antevisão da «Jornada Mundial da Juventude» que acontecerá em Lisboa em 2022 e nessa lembrança mensagem: «Maria levantou-se e partiu apressadamente».

Partiu este grupo de 5 elementos da JOC / Diocese do Algarve para essa peregrinação, num autêntico clima de aventura, que a Fé alicerçava, face às dificuldades que tal viagem acarretava, para mais fazendo-se transportar numa antiga viatura propriedade do veterano da equipa, o saudoso João Espanha, que era para além de um conceituado mecânico da Empresa de Viação Algarve (EVA), um verdadeiro militante da Ação Católica. Tal como imbuídos pelo Credo que professavam o eram os seus companheiros, que aqui recordamos com amizade e apreço: o falecido Lopes Martins (Diretor que o foi do extinto semanário «O Algarve»), o Joaquim Sequeira (ao tempo funcionário judicial) e de quem há anos não temos notícias, o Vitoriano Rita Isidoro (que foi uma coluna básica, durante décadas, do «Jornal do Algarve»), o José Ricardo Candeias Neto (dedicado Provedor da Misericórdia de Faro). Jovens de Olhão, Faro, Tavira, Vila Real de Santo António e Olhão, aqueles que a 25 de Agosto de 1957, após uma longa travessia de Portugal, Espanha, França e Itália, tiveram o ensejo de escutar a mensagem pontifícia na Praça de São Pedro.

A memória desta peregrinação dos cinco jócistas algarvios do século XX é a mensagem gémea daquela que, a Deus querer e há-de querê-lo, será vivida pelos jovens algarvios do século XXI.

Pub