Pub
Foto © Samuel Mendonça

A Igreja do Algarve iniciou a formação do clero sobre a questão da exorcização e outros “caminhos de libertação”.

No passado dia 21 deste mês, realizou-se uma jornada de formação precisamente sobre o tema “Caminhos de Libertação” no Seminário de São José, em Faro, que contou a presença do bispo, padres e diáconos da diocese algarvia.

O bispo auxiliar de Braga, um dos formadores da iniciativa, disse ter sido aquele “o primeiro encontro que se fez abertamente numa diocese sobre este tema”. “Vocês são os primeiros”, afirmou D. Francisco Senra Coelho, garantindo que “são poucas as dioceses organizadas” naquela área.

O prelado deu conta na jornada da existência de um serviço constituído na Arquidiocese de Évora, onde foi padre durante vários anos, para o trabalho naquela área e exortou a Diocese do Algarve a fazer o mesmo.

Foto © Samuel Mendonça

No encontro, foi igualmente dado a conhecer a existência do Centro de Escuta e Acompanhamento Espiritual da Arquidiocese de Braga que também trata daquelas questões pela voz do padre Jorge Vilaça, seu coordenador, que abordou a temática “Diabolismos em tempo de relacionamentos fragilizados – Começar pelo princípio”.

A formação contou ainda com a intervenção do padre Mário de Sousa, sacerdote da Diocese do Algarve, sobre a temática “Os exorcismos à luz da missão de Jesus Cristo”. D. Francisco Senra Coelho falou ao clero algarvio sobre “Questões Pastorais e diálogo interdisciplinar” e a jornada concluiu-se com a intervenção do padre Carlos de Aquino, da diocese algarvia, sobre “O lugar do Ritual dos Exorcismos na ação pastoral”.

No final do encontro, o bispo do Algarve disse que a ideia daquela iniciativa partiu do Conselho Presbiteral e defendeu que a reflexão deve continuar “porque é uma urgência”. D. Manuel Quintas adiantou que a ponderação poderá ter continuidade naquele órgão consultivo ou ao nível das vigararias tendo em vista uma sugestão sobre o que fazer na diocese. “Isto exige preparação, não se improvisa”, observou.

Pub