Pub

Cón. José Pedro Martins
Cón. José Pedro Martins

O acontecimento pascal da ressurreição de Jesus, levou desde muito cedo os fiéis a festejarem as alegrias da Virgem Maria pela ressurreição do seu amado Filho, dando-lhe a invocação de Senhora dos Prazeres.

A homenagem era prestada à imagem de Nossa Senhora das Dores e, é por isso, que entre nós, no Domingo de Páscoa, os cristãos de Loulé e, progressivamente, de todo o Algarve e não só, que se haviam associado à dor da Virgem pela Paixão do Filho, sobem agora, efusivamente, em romaria, à Ermida de Nossa Senhora da Piedade, para com ela exultarem pela alegria da ressurreição.

Esta mesma tradição pascal se expressou, como se disse, no culto à Virgem, sob a evocação Nossa Senhora dos Prazeres, tendo-se então erguido diversificados lugares de culto e Capelas com este título em toda a Igreja, para assim se perpetuar este exultante magnificat mariano.

Na nossa Catedral de Faro, encontramos também uma destas capelas, já aí referenciada em 1712, e, depois, sucessivamente ampliada e adornada. É uma primorosa obra de arte de tratamento barroco, em que revoadas de anjos rodeiam a Virgem sustentando o seu Filho Menino, por entre uma exuberante e festiva ornamentação, onde as figurações dos símbolos da Paixão e as lágrimas das suas dores a escorrer num rosto que a representa através de uma pequena tela em forma de medalhão a fechar o arco da Capela, recebem agora a alegre transfiguração da glória pascal.

Trata-se de uma obra ímpar no Algarve, a merecer cuidada leitura e demorada visualização. A Virgem com o Menino, é do séc. XVII.

Em tempo pascal não podemos deixar de contemplá-la e nela nos determos em festivo louvor, rezando e cantando: “Rainha do Céu, alegrai-vos, Aleluia! Porque Aquele que merecestes trazer em vosso ventre, Aleluia! Ressuscitou, como disse, Aleluia! Rogai por nós a Deus, Aleluia! Alegrai-vos e exultai, ó Virgem Maria, Aleluia! Porque o Senhor ressuscitou verdadeiramente, Aleluia!

Pub