Pub

Deixou um forte apelo à esperança a celebração que uniu no passado sábado a manifestação pública da campanha de Natal da Cáritas ‘10 Milhões de Estrelas – Um Gesto pela Paz’ e a distribuição da ‘Luz da Paz de Belém’, partilhada pelo Corpo Nacional de Escutas (CNE).

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“Que aqueles que andem em maiores dificuldades encontrem em Jesus esta esperança”, desejou o padre Nuno Coelho, que presidiu à celebração que teve lugar na igreja da Mexilhoeira da Carregação, lembrando que a luz vinda da igreja da Natividade em Belém – o local atribuído ao nascimento de Cristo – “é a chama que brota do amor, sinal da esperança que vem de Deus”.

Padre Nuno Coelho • Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“Esperança para tempos tão difíceis que vamos vivendo, sinal desta presença de Deus junto de nós, na nossa vida”, precisou o assistente regional do CNE e pároco da Mexilhoeira da Carregação, pedindo também aos presentes que sejam “testemunhas” do amor de Deus e “construtores de paz”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O sacerdote pediu aos presentes, oriundos maioritariamente de vários agrupamentos escutistas e da Cáritas Diocesana do Algarve, que não sejam “meros transportadores” da luz para as paróquias.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“De nada serve deixarmo-nos tocar por esta luz que é Jesus se depois não tocarmos o outro, aquele que está ao nosso lado. Que sejamos «luz» neste mundo, nesta nossa sociedade, para que a esperança, que se vai, tantas vezes, esfumando, desvanecendo, se reerga, para que muitos possam de novo acalentar o seu coração. Que a luz que hoje levamos, sinal da presença de Deus na nossa vida e de Jesus na nossa história, possa «incendiar» todos aqueles que a recebam, possa «incendiar» de esperança todos os corações «feridos» neste tempo pela ausência de tantos que fazem falta, pela solidão, pela fragilidade. Que possamos levar este Jesus a todos aqueles que estão «às escuras». Que a escuridão não vença, que sejamos «luz» nas «trevas» neste tempo que queremos modificado”, apelou.

Luís Cabrita • Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O chefe regional do CNE desafiou a “gestos de partilha, amor, paz e alegria”. “Vivamos um Natal mais espiritual, com menos exterioridade e mais interioridade, com menos aparências e futilidades e mais gestos autênticos, menos centrados nas coisas e mais nas pessoas”, pediu Luís Cabrita, acrescentando a necessidade de levar a “esperança a mais corações”. “Que a ‘Luz da Paz de Belém’, que vamos difundir por toda a nossa diocese, nas nossas comunidades, além de animar o Natal de muitas pessoas, dê mais brilho às nossas casas, contribua também para que os membros dos muitos agrupamentos vivam mais intensamente o verdadeiro espírito desta festa cristã”, concluiu.

Carlos Oliveira • Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O presidente da Cáritas Diocesana do Algarve exortou à atenção aos que mais precisam de apoio. “Este é também o tempo em que, pela fortaleza da fé, devemos estar vigilantes e responder às necessidades dos que viram a sua vida transformada quer pelo desemprego, quer por qualquer outro motivo que a limitou. Temos a obrigação de dar sentido à sua vida com gestos de solidariedade. É isto a essência dos ‘10 Milhões de Estrelas’ que conjuntamente queremos celebrar”, afirmou Carlos Oliveira, lembrando as três campanhas de apoio social lançadas pela Cáritas e que a compra da vela da sua campanha de Natal também tem um objetivo social.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Este ano 65% do total de verbas recolhidas com a venda das velas da 18ª edição da campanha ‘10 Milhões de Estrelas – Um Gesto pela Paz’ reverte para os beneficiários das Cáritas Diocesanas. No caso da Cáritas algarvia, o montante será para os destinatários das três campanhas que a instituição está a realizar para apoio às vítimas da crise provocada pela pandemia. Contrariamente àquilo que é habitual, os restantes 35% não serão este ano destinados a nenhuma causa internacional, mas reverterão para a campanha nacional da Cáritas Portuguesa de apoio às vítimas da mesma crise.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Por cada vela, em forma de estrela, é pedido um donativo mínimo de dois euros, estando à venda nas Cáritas Diocesanas – podendo ser pedidas à Cáritas algarvia através do email geral@caritasalgarve.pt ou do telefone 289829920 – e nas paróquias e também nas lojas Pingo Doce. Este ano, com a adesão da Associação Nacional das Farmácias, também algumas farmácias também se disponibilizaram para fazer a venda e em Silves e em Faro há farmácias a vender as velas.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A Cáritas convida ainda cada português a acender a vela na noite de 24 de dezembro, véspera de Natal, e a colocá-la à janela de casa.

Este ano, devido à pandemia de covid-19, a celebração conjunta, promovida pela Cáritas algarvia e pelo CNE, realizou-se num formato mais contido, quer em termos de participação, quer no seu formato, e a tradicional ‘Marcha da Paz’ não se realizou.

Pub