Inicio | Cultura | Exposição sobre a “Imprensa de Gutenberg e Pentateuco de Faro” será inaugurada na antiga capela do Paço Episcopal

Exposição sobre a “Imprensa de Gutenberg e Pentateuco de Faro” será inaugurada na antiga capela do Paço Episcopal

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Vai ser inaugurada amanhã à tarde, 3 de novembro, pelas 15h30, no espaço da antiga capela do Paço Episcopal de Faro, a “Exposição para a Difusão do Conhecimento – Núcleo Histórico da Imprensa de Gutenberg e do Pentateuco de Faro”.

Anunciada em julho de 2017, trata-se de uma iniciativa – ligada à edição do “Pentateuco” (conjunto dos cinco primeiros livros da Bíblia: Génesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronómio), levada a cabo por Samuel Gacon em 1487 e que marcou o início da imprensa em Portugal – que tinha sido divulgada pelo presidente da Fundação Portuguesa das Comunicações. A realização da mostra foi anunciada no Seminário de São José de Faro durante a apresentação de uma reedição ‘fac-simile’ do primeiro livro impresso em Portugal.

A iniciativa é promovida conjuntamente pela Diocese do Algarve, pela Fundação Portuguesa das Comunicações, pelo Círculo Teixeira Gomes – Associação pelo Algarve, pela DFK & Associados SROC, pela editora ‘Sul, Sol e Sal’ e pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve.

À exposição associa-se também o coordenador nacional da Comissão do Ano Europeu para o Património Cultural, Guilherme d’Oliveira Martins, e a Santa Casa da Misericórdia de Faro na efeméride dos seus 500 anos de fundação.

Com entrada pela rua do município, a antiga capela episcopal – ocupada em 1913 com um ginásio militar, aquando da implantação da República – foi alvo de trabalhos de recuperação para receber a exposição. Ali estarão expostos uma edição ‘fac-simile’ do primeiro livro impresso em Portugal produzido pela editora ‘Sul, Sol e Sal’ e uma réplica do prelo de Gutenberg, cedida pela Fundação Portuguesa das Comunicações, semelhante à que terá sido usada em Faro pelo impressor judeu Gacon.

A mensagem do bispo do Algarve para a exposição lembra que o “único exemplar conhecido” do primeiro livro impresso em Portugal “integrava a biblioteca do bispo” D. Fernando Martins Mascarenhas – à frente da Diocese do Algarve entre 1594 e 1616 – que foi saqueada em 1596 pelo conde de Essex, Robert de Devereux. “É como que «o regresso possível a casa»”, considera D. Manuel Quintas.

“A impressão do Pentateuco fez de Faro a cidade-berço da imprensa em Portugal, daqui se difundindo para outras partes, pela utilização do prelo (de Gutenberg) que, por sua vez, também deu ao mundo a primeira Bíblia impressa, (1455), alargando sempre mais a sua divulgação”, acrescenta o prelado, observando que “a invenção da imprensa constituiu um precioso e reconhecido meio de formação e de difusão do conhecimento”. “Com a criação deste Núcleo da Imprensa de Faro, pretende-se contribuir para uma maior consciência do multiplicar de oportunidades que esta invenção proporcionou, considerando as progressivas inovações da ciência ao serviço da paz, bem-estar e progresso dos povos no mundo”, acrescenta.

Na mostra – que contará ainda com uma breve alusão à história da escrita desde a pedra coniforme até à atualidade – estará ainda patente um “scriptorium medieval”, cedido pela Santa Casa da Misericórdia de Coimbra, que retratará as técnicas e os objetos usados pelos monges copistas antes da invenção da imprensa para reprodução de textos.

A inauguração da exposição, contará ainda com a apresentação da obra “As artes gráficas e a imprensa em Portugal, séculos XV – XIX”, de José Pacheco, que terá lugar na sala do trono no Paço Episcopal.

Verifique também

“Eu não tenho nada (…) eu não devo nada”

Encarar uma situação má na nossa vida com sentido de humor, normalmente só acontece passado …