Inicio | Sociedade | Processo de cadastro predial de Loulé prolongado até maio de 2015

Processo de cadastro predial de Loulé prolongado até maio de 2015

Centro_historico_louleO prazo de declaração e demarcação de propriedades urbanas e rústicas de Loulé foi prolongado até maio de 2015 para obtenção de uma percentagem mínima que permita que o cadastro predial entre em vigor, disse o gestor do projeto.

Trata-se do segundo prolongamento do projeto, adjudicado ao consórcio de empresas SULCAD, e, segundo o gestor Paulo Patrocínio, resulta da uma falta de demarcação no terreno por parte dos proprietários que permita confirmar os dados declarados nos gabinetes de atendimento.

“Isto é um projeto estruturante e se depois de se investir tanto dinheiro e esforço não conseguirmos o objetivo mínimo [aproximadamente 70% do território do concelho declarado e demarcado] o cadastro pode nunca entrar em vigor”, observou Paulo Patrocínio.

O processo em curso resulta da vontade da Direção Geral do Território em avançar para um tipo de cadastro predial mais completo e georreferenciado que abrange as propriedades urbanas e rústicas e não apenas rústicas, como acontecia até 2013, altura em que o projeto-piloto foi lançado em Loulé, Oliveira do Hospital e Paredes.

No Algarve, o projeto avançou nos concelhos que não tinham cadastro predial, ou seja, no concelho de Loulé em 2013 e nos concelhos de São Brás de Alportel e Tavira em outubro deste ano.

Segundo Paulo Patrocínio, foi declarada a titularidade de perto de 75% do concelho, mas esta é uma percentagem ainda em “área de esboço” que carece de validação no terreno pelos técnicos.

As áreas declaradas e não demarcadas poderão nunca ser objeto de cadastro porque a falta de demarcação impossibilita a confirmação dos dados declarados, acrescentou.

Entre os motivos para a falta de demarcação pelos proprietários estarão falta de possibilidade pessoal, dificuldade em chegar aos terrenos ou questões económicas.

Para já, vão manter-se abertos os gabinetes de atendimento nas juntas de freguesia de Querença, Alte, S. Sebastião, Quarteira e Almancil, encerrando no final desta semana os gabinetes do Ameixial, de Salir, de S. Clemente, de Boliqueime, da Tôr e de Benafim.

As informações entregues pelos proprietários vão ser analisadas e cruzadas com as informações existentes nos registos da DGT, do Instituto de Registo e Notariado e da Autoridade Tributária e são georreferenciadas – através de tecnologia GPS (Sistema de Posicionamento Global), mapas e sistemas de informação geográfica.

Após o processo de consulta pública marcado agora para o período de 01 de julho a 08 de setembro de 2015, cada propriedade deverá ficar com um único Número de Identificação do Prédio (NIP), que funcionará como uma espécie de bilhete de identidade da propriedade.

Verifique também

PJ detém militar suspeito de abusar sexualmente de menor no concelho de Tavira

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção, na quinta-feira, de um militar de 25 …